FANDOM


Atualização para uma história mais completa e com escrita melhor c: (Sim, sou a pessoa que criou esta Creepypasta)

Sul

E a noite fria caiu sobre a estrada longa e escura que se mantinha deserta a àquela hora, não era muito tarde mas já estava escuro. O caminho iluminado somente pela luz do farol, e o local seria só estrada se não fosse pela exceção das florestas em volta e placas espalhadas por ai.

O carro parou no meio da estrada por algum problema pequeno no motor que talvez fosse resolvido brevemente, o garoto de 25 anos desligou o carro e pegou uma lanterna no porta-luvas, a ascendeu e foi resolver o problema. Seus olhos eram azuis tinha a pele clara e belos cabelos negros bagunçados, vestia um moletom verde desbotado e uma calça jeans folgada. Dentro do carro estava sua irmã caçula de 15 anos que esperava pacientemente por ele no banco do carona, seu rosto inexpressivo encarando a lua enquanto madeixas castanhas tingidas com roxo de seu cabelo voavam com o vento gelado.

- Vai demorar muito Kyle? - A garota falava pela janela

- Já está quase pronto - Kyle respondeu, terminando de concertar seu velho carro e voltando para o banco continuando a dirigir, após longos minutos de silencio ele resolveu puxar assunto com sua irmã

- Então Key... -Era como ele apelidava carinhosamente sua irmã Keyla. ‘’Se sente bem com a mudança?’’

- Acho que sim - Ela respondeu voltando seu olhar para frente.

- Nós vamos morar naquela casa em que disseram que o cara perdeu o rim, está tudo bem pra você? - Kyle a via como uma criança frágil, embora ela não fosse uma criança muito menos frágil.

Após uma hora finalmente chegaram na casa, era bonita e rustica. Depois de desempacotarem e guardarem tudo puderam ter uma noite merecida de sono após a longa viagem.

Ambos dormiam calmamente em seus quartos, uma chuva pesada caiu com relâmpagos fazendo Keyla acordar assustada sua janela estava aberta e na beirada da cama se encontrava uma pessoa que usava uma máscara azul escura com os orbes negros escorrendo um liquido da mesma cor, após aquela noite a garota teve uma mudança em sua personalidade.

Quando amanheceu ela acordou com o despertador, parecia que tivera uma noite tranquila e nunca viu aquele homem mascarado, ela costumava dizer bom dia para o irmão todos os dias mas desta vez apenas ficou em silencio, se sentou sobre a mesa enquanto seu irmão estava na cozinha fritando alguns ovos com bacon, logo ele colocou o prato sobre a mesa de sua irmã com um copo de suco de laranja, Keyla encarou a comida por alguns segundos e quando Kyle a encorajou finalmente deu uma garfada e resolveu comer, tomando um longo gole do suco voltou para o andar de cima e tomou um banho quente se arrumando para ir a escola.

- Eu encontrei um emprego no jornal tenho uma entrevista hoje - Kyle puxava assunto enquanto levava a irmã para o seu primeiro dia de aula, encarava suas orbes verdes pelo retrovisor do carro.

- Como conseguiu um emprego de imediato no meio da noite? - A primeira frase que ela dissera essa manhã.

- Você sabe... liguei, atenderam e marcamos uma entrevista, não pude esperar até de manhã. Nossos pais emprestaram um pouco de dinheiro para passar o primeiro mês aqui enquanto não recebo meu salário. Quanto antes eu conseguir um emprego, melhor! - Kyle sorriu parando o carro em frente à escola.

- Tenha um bom dia, boa sorte com as vadiazinhas que encontrar por ai - Kyle disse seco, mas logo sorriu docemente e foi embora, Key retribui. Ela não se impressionou com a vulgaridade que seu irmão teve, afinal quando pequeno Kyle sempre sofria nos primeiros dias de aula nas mãos de garotas maldosas que praticavam bullying com ele quando pequeno.

A garota de cabelos castanhos pegou sua mochila, mas foi barrada por uma garota de cabelos tingidos em vermelho.

- Olhem garotas! Uma aluna nova! – Falou chamando mais duas. – O irmão dela é bem gatinho né? – Riu a mesma ruiva.

- Eu sou Heidern, prazer em te conhecer mas você tem que entender o seu lugar garota – Disse com deboche em sua voz. – Novatas tem que se ajoelhar diante das donas dessa escola. – Uma garota atrás de Keyla chutou suas costas a fazendo cair no chão ralando levemente o joelho.

- Agora beija sua vaca! – Disse uma das garotas empurrando a cabeça de Keyla para perto dos tênis sujos de Heidern que permanecia imóvel e com o mesmo sorriso maldoso no rosto, Keyla em um reflexo rápido retirou um canivete de seu bolso e fez um corte profundo na mão da garota que deu um berro e segurou a mão, as garotas saíram de perto de Keyla e formaram uma roda em volta da garota machucada e começaram a acalma-la Keyla aproveitou a chance e se levantou correndo para dentro da escola ao fundo podia ouvir o grito de Heidern.

- HEY SUA ESQUISITA, NÓS VAMOS TE DEDURAR! E NINGUÉM VAI ACREDITAR EM VOCÊ!! 

Sem olhar para trás os olhos de Keyla se encheram de lágrimas.

Ela se sentou no fundo de sua sala, após uma hora de aula. Uma monitora entrou e pediu para que ela fosse até a diretoria, Após ser orientada onde ficava o local ela andou até lá e entrou depois de bater na porta. Aquelas garotas de antes estavam reunidas o encarando enquanto a garota que ela machucou mantinha sua mão enfaixada.

- Senhorita Keyla Williams nós não toleramos nenhum tipo de psicopatia ou agressão desse tipo...

- Psicopatia?! Eu estava me defendendo elas me forçaram a beijar os pés dela! – Keyla apontou para Heidern.

- E pode me explicar quem que vem para a escola com um canivete? – O diretor perguntou franzindo as sobrancelhas.

- Eu não tinha colocado o canivete na minha mochila, alguém que colocou e quando eu vi eu me aproveitei dele para me defender! – De repente veio a imagem daquele homem mascarado que a visitara a noite, e sua expressão de indignação mudou para uma séria, assustadora e calma face apenas se sentou na cadeira não prestando atenção nos sermão e argumentos sem fundamento daquele homem velho.

- Vamos ligar pro seu irmão para notifica-lo que você estará suspensa por dois dias. – Disse o diretor

- Claro. – Falou emburrada. – Posso voltar pra aula? – Perguntou

- Pode, todas vocês.

A garota de cabelos castanhos se levantou de seu aposento e andou, no corredor as outras garotas riam dela.

- Hey esquisita a gente te avisou. – Heidern riu e acertou um tapa na cara de Keyla deixando uma marca vermelha e foi embora entre risadas com suas cadelas, Keyla até pensou em voltar e denunciar, mas pela primeira vez fez silencio e apenas voltou para sua sala e continuou a fazer sua lição até ser liberada e Kyle ir busca-la.

Durante todo o trajeto eles ficaram em silencio, até chegar em casa Kyle olhou sua irmã

- Eu entendo. -  Ele disse

- Huh? – Key ficou surpresa.

- eu vi você arrumando sua mochila hoje de manhã, não colocou nenhum canivete. O diretor foi injusto com você apenas porque era novata, só escutou a versão daquelas garotas... bem... – Ele se levantou do sofá  

- Vou falar com ele amanhã, fiquei sabendo que você não conseguiu fazer nenhum amigo quando a suspensão acabar talvez você consiga. – Kyle sorriu e foi embora deixando a garota sozinha na sala, o sol já estava se pondo revelando uma bela tarde Keyla largou sua mochila em cima do sofá e sentiu um tipo de atração que a levou direto para o porão ela tentou ascender as luzes para ver o local, mas elas estavam queimadas, chamou por Kyle mas não obteve resposta, de repente o porão ficou mais frio, a garota começou a ficar mais assustada conforme dava alguns passos mais a dentro daquele lugar escuro até bater de frente com algo que parecia alguém de pé na frente dela, colocou as mãos naquilo e viu que se tratava de alguém mesmo e parecia estar usando um casaco. O porão não estava praticamente um breu, mas ainda sim estava escuro ela pode enxergar que o casaco se tratava de um moletom preto, ela foi olhando para cima e encontrou o rosto da criatura que na verdade se tratava de um homem mascarado. Keyla encarou aqueles orbes negros escorrendo fluidos da mesma cor sobre a máscara. Seu capuz estava abaixado dando a visão de seu cabelo castanho escuro levemente bagunçado. Keyla não temeu, levemente levantou as mãos e retirou a máscara revelando a pele cinzenta e o rosto daquele homem que deu um sorriso de canto mostrando os dentes afiados, certamente ele não era humano. Keyla encarou aquele sorriso e só conseguiu dizer uma palavra.

Eyeless jack smile for the camera by digitaldemonjg-d6tjifx

- Oi. – Falou sem expressão, o homem ficou em silencio.

- Oi. – Ele respondeu com sua voz rouca.

E depois desse encontro inesperado no porão os dois dias de suspensão de Keyla se resumiam a conversas com um ‘’amigo imaginário chamado Jack’’ como dizia Kyle.

Kyle viu que sua irmã estava mais quieta e passava os dias no quarto falando com o espelho e que seu cabelo estava se tornando mais claro. Juntou dinheiro para uma visita ao psicólogo, mas este se recusava desesperadamente que a garota tinha um problema. Kyle culpava a sua falta de socialização na escola e a pressão que sofria por Heidern e as outras fazem bullying com ela por falar sozinha nas aulas, já estava considerando voltar a viver com os pais e a fazer voltar para seus antigos amigos, sem Keyla saber Kyle arrumou as malas dela e as dele e empacotou tudo se preparando para deixar aquela cidade no sábado. Porém para seu ultimo dia ali ele foi convidado para uma festa na casa de algumas garotas que moravam ao lado que eram da sala de Keyla, ele resolveu leva-la.

Depois de se arrumarem e deixarem a casa se separaram naquele grande casarão lotado de gente. Kyle conversava com alguns garotos no corredor enquanto Key estava sentada na beira da piscina molhando os pés. Podia ouvir o som abafado da música alta dentro da casa. Estava apenas ela sozinha ali mais ou menos, Jack estava do seu lado.

- Quando eu estava vivo eu odiava festas. – Ele murmurava.

- Eu também não gosto de festas Jack. – Ela suspirou.

- Então porque concordou em vir? – Franziu as sobrancelhas por trás da máscara.

- Kyle está preocupado, estou aqui por ele. – Bufou.

- Acho que ficar sozinha não vai o tranquilizar, que tal entrarmos lá dentro?

- Tudo bem. – Key concordou e se levantou entrando na casa enquanto falava sobre algumas coisas com Jack as pessoas a encaravam, porém ela não percebia enquanto conversava com seu assassino ‘’imaginário’’ Heidern estava na festa e se aproximou.

- Olá Key. Fiquei sabendo que seu namoradinho imaginário veio junto com vocês. – Disse com a voz sempre carregada de deboche.

- Sinto muito por elas não conseguirem me ver. – Jack disse sem expressão.

- Não sinta, você não tem culpa Jack. – Ela respondeu simples.

- Olha só estão conversando? Responda minha pergunta garota! – Heidern a empurrou.  

- Ele não é meu namorado! Ele é meu... amigo!

- Olha para esse monte de gente minha querida... – Heidern passou o braço pelos ombros dela.

- Todos têm amigos menos você!

- Isso é mentira! Eu tenho o Jack! – Ela empurrou Heidern para longe com violência

- JACK NÃO EXISTE! – Heidern falou alto e lhe deu um soco fazendo o nariz de Keyla sangrar, Keyla bufou. Sentia o peso de todos os olhares sobre ela, as risadas a vergonha. Ela apenas desabou sobre o chão da festa, Jack se ajoelhou e a olhou.

- Você tem que se livrar delas, mate-as.

- Matar? Eu não sou tão cruel. – Os olhos de Key se encheram com lágrimas.

- Então faça-os ter doces sonhos... – Jack tirou um isqueiro do bolso. – Fiquei sabendo que o jeito mais doloroso de morrer é ser queimado, mas quando você morre queimado seu corpo é purificado e desaparece e no seu lugar fica o seu mal todo removido pelo fogo que nós chamamos de cinzas.

- Então as pessoas vem guardando o mal das outras em potinhos dentro de suas casas?! Isso é péssimo!

- Mas você pode se livrar do mal dessas pessoas, começando pelo seu. – ele retirou uma pequena garrafa do bolso e uma caixa de fósforos

- O meu... mal. – Keyla pensou seriamente, mas depois sorriu de orelha a orelha.

- Sim... vamos purifica-los e faze-los ter bons sonhos!

- Ótimo, bem-vinda... – Jack abriu a garrafa e jogou o liquido altamente infamante sobre o corpo de Key e em seguida ascendeu o fosforo.

- Bem-vinda... Key Flare. – Ele atirou o fosforo na garota que começou a gritar e se debater no chão conforme sua carne queimava lentamente, todos no lugar entraram em pânico com a cena daquela pequena garota em chamas, depois de minutos agonizantes as chamas se apagaram, porém, de dentro delas não saiu um corpo totalmente deformado pelo fogo, mas sim uma garota vestida com as mesmas roupas que Key usava para ir à festa. Um short jeans, meias 7\8 pretas, Tênis pretos de cano longo e a camisa branca agora levemente queimada junto com a jaqueta xadrez vermelha, o rosto mantinha o mesmo formato, porém tinha seus olhos negros como se fosse desprovida de visão, mas ela não era, cabelos ruivos de um tom forte de alaranjado como o fogo, carregava uma machete enferrujada em

suas mãos pálidas.
20131008-135514

Sweet Dreams...

- Bons sonhos. – Ela murmurou andando até Heidern e cortando

sua garganta na frente de todos, múltiplas facadas na barriga dela, o sangue espirrando sobre Key que não parou até o corpo da garota ter ficado irreconhecível, Jack seu suposto amigo imaginário observava calmamente após algumas horas de chacina Kyle que continuava no andar de cima foi para o banheiro depois de se despedir de seus amigos e notou que os barulhos lá em baixo e os escada fora na maioria das vezes gritos e agora tudo estava em silencio, resolveu descer e dar uma olhada quando se deparou com a carnificina inteira e começou a chorar temendo pela sua irmã, avistou um garoto mascarado e apenas o olhou deduzindo que ele era o responsável daquilo.

- Você matou eles?! – Gritou.  – Matou minha irmã?! Meus amigos?!

 - Sua irmã está viva Kyle e a proposito eu sou Jack. Eu estive lá o tempo inteiro com ela enquanto você não estava. Até quanto tempo um otimista pode durar? – Ele falou pegando seu bisturi.

- ONDE ESTÁ MINHA IRMÃ!? O QUE VOCÊ FEZ COM ELA?! – Gritou com os olhos cheios d’agua.

- Ela concordou com as mudanças. – Ela falou, a porta da frente se abriu.

- Terminei lá fora, aqueles cinco morreram e foram os últimos, quando viram esses cretinos mortos se esconderam. – Ela falou sem notar Kyle, mas depois que o viu sorriu de orelha a orelha e se aproximou, Kyle caiu de joelhos.

- V-você não os matou n-não é? Diga que foi ele Keyla! Por favor! – Gritou desesperado chorando e soluçando, Keyla apenas se ajoelhou.

- Não chore meu irmão, eu estou renovada... e eles também você era o único correto nesta cidade por isso eu não te matei. – Ela limpou as lagrimas dos olhos de seu irmão mais velho e passou a mão em seu rosto.

- Eu vou queimar esse lugar, fuja. Saia dessa cidade e volte a morar com nossos pais e me deixe para trás. Eles irão entender Kyle. Eu te amo. – Keyla depositou um beijo na testa de seu irmão mais velho e virou as costas para ele

- Vamos Jack. – Ela falou saindo do local, Kyle se apressou e saiu para não pegar fogo com aquele lugar e apenas voltou para casa colocou as coisas de Keyla no porão e pegou uma foto dela e seu colar e guardou no bolso, jogou suas malas no carro e colocou fogo na casa e foi embora de volta para sua cidade natal onde viva com seus pais. Ele foi embora daquela cidade imperfeita que logo queimaria em chamas, dizem que Key Flare é procurada por seus assassinos de ódio e que vive na mansão do Slender junto com os assassinos de lá.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória