FANDOM


Essa história é de caráter informativo, hora nenhuma é incentivada a entrada na Deep Web. Isso é um assunto de extrema importância. A Deep web não é brincadeira e não é um site em que você dá risada, contém tudo aquilo que é de mais doentio e macabro pelo mundo. Não entrarei em detalhes.

Se você é fraco, costuma se assustar fácil, e o mais importante, se você não tem conhecimento sobre esse assunto, NÃO VEJA. 


Baseado em fatos reais


Eu demorei um pouco para abrir meus olhos, o sono fazia com que eu cambaleasse de um lado pro outro. O despertador do celular apontava que era 6:42, soltei um grande suspiro.

Era segunda-feira, comecei a vasculhar meu guarda-roupa tentando achar uma roupa decente para ir pro trabalho. Mas eu não tinha vontade de fazer nada. Não porque era segunda-feira, mas porque eu não tinha mas vontade de viver.

Já fazia dois dias que eu consegui de fato acessar a Deep Web, se você não sabe oque é Deep Web, pesquise e descubra. 

Era um sábado qualquer em que eu estava em casa descansando do trabalho. Eu não era um adolescente muito ocupado, afinal eu tinha ido morar sozinho aos 19 anos, meus pais tinham se divorciado e eles não me apoiaram nenhum pouco em minha ida pra faculdade. 

Estava no segundo ano em cinema. Eu precisava fazer um trabalho sobre algum site polêmico, dar suas informações, história e até fazer um filme dentro desse assunto. 

Eu estava navegando em um blog de política, anotando e anotando tudo o que se passava nele. Aquela merda não tinha me rendido nenhuma empolgação. Já eram 11:37. Eu estava decido em fazer meu trabalho sobre aquele blog quando minha caixa de e-mail me avisou de uma nova mensagem. 

Era um novo vídeo do AmbuPlay, nele estava o seguinte título: "Lendas da Deep Web: Tráfico de órgãos". Minha mente se voltou toda para aquela palavra. Deep Web, era um passo para meu lindo 10.

Não almocei. Passei a tarde toda pesquisando dentro de blogs e sites de como entrar na Deep web,  eu queria uma coisa mais profunda, não apenas baixar o TOR e entrar, não. Até ai eu já estava sabendo dos riscos e das consequências, porém, nada me dizia que aquilo estava errado, não tinha aquela consciência do medo e da razão. Acessei vários vídeos no youtube com tutoriais, vídeo-aulas e outras babaquices que ensinavam esse tipo de acesso. Depois de ter todas as informações necessárias, eu começei a ter medo, e isso me ajudou a pensar bastante antes de navegar naquilo. Juntei as informações precisas, baixei pilhas de programas crackeados para minha proteção na navegação do site, tomei coragem, dei um último resumo em minha mente  da merda que poderia acontecer. 

Eu não queria fazer isso, no fundo eu queria mesmo pegar um site cocô e falar sobre o que se passava nele. Mas minha curiosidade ganhou do medo.

Eu não acessei aquela simples página do TOR, eu realmente fiquei duas horas farejando aquela merda clicando e clicando em links escrito em russo e alemão enquanto eu bebia meu estoque todo de energético. Era engraçado, a Deep web lembrava muito como a internet era à dez anos atrás, com links embaixo de links. Cada site que eu clicava demorava um minuto para carregar. Algo dentro de mim dizia: pare por ai, pare por favor. Mas você sabe como é a mente humana, mesmo sabendo que aquilo pode destruir sua sanidade, mas a sensação de curiosidade toma conta de você. Depois de quase estar desistindo, eu consegui acessar um site que mudaria minha vida.

O site era todo preto com uma faixa vermelha no canto direito da tela, parecia ser um chat ou algo do tipo. Parecia ser russo. No final da página havia um link muito extenso e embaixo uma frase em vermelho. Acho que fiquei um minuto olhando para aquele link e pensando: o que tem ali? Que merda é aquela? Peguei meu mouse, levei até o X para fechar o programa, olhei para o relógio e vi que era 4:57. Merda, que se foda já é 5 horas da manhã! Voltei ao site e sim eu cliquei naquele link.

Demorou mais que o normal para carregar a página que eu havia clicado um minuto antes, geralmente é o fluxo de pessoas que navega no servidor do site. Dei uma piscada profunda e senti o peso sobre mim, sono, medo, dor de cabeça, a sensação da merda que poderia dar errado. Quando abri meus olhos a página havia carregado totalmente. Senti um frio na barriga. O site tinha as mesmas características que o outro de antes. Exceto por um vídeo que estava no centro da tela. É claro que eu cliquei no vídeo para carregá-lo, sem pensar.

Novamente aquele ritual de esperar bastante aconteceu, quando o vídeo carregou, fixei meus olhos na tela do computador e esperei um pouco. O vídeo começou todo preto, depois de uns cinco segundos surgiu um quarto, um quarto normal, bem ajeitado por sinal. As paredes eram enfeitadas com poster de bandas de rock americanas, a câmera provavelmente estava do lado da porta porque não aparecia na gravação. O quarto lembrava muito de um adolescente americano, com aquelas prateleiras cheias de CDs de games, revistas e outras coisas.

Uma figura estranha entrou no quarto com um estrondo ao fechar a porta. Estava vestido com uma roupa que parecia ser de um soldador. Ele tinha na testa uma máscara, aquelas que protegem seu rosto de faísca. É  claro que não tinha como identificá-lo.

A figura estranha ainda carregava na sua mão esquerda uma bolsa grande. Ela pôs a bolsa gigante na cama e saiu do quarto. Não demorou muito para que eu começasse a ouvir um choro de uma criancinha, porra uma CRIANÇA!! Devia ter umas duas semanas de vida, vestia um macacão e tinha uma toca na cabeça. Eu não sabia o que fazer, simplesmente não tive reação, comecei a ficar traumatizado, meus pelos se arrepiaram, todos, desde a nuca até a perna, minhas mãos tremiam, eu suava feito um porco. Agora não tinha mais volta, a curiosidade tomava conta de mim, venci o medo e acabei destruindo minha sanidade.

Quando a pessoa voltou ela trazia consigo uma maca de passar roupa e uma caixa de ferramentas. Já podia imaginar a merda que aquele babaca ia fazer, e ele fez.

Sem pensar começou a armar a maca, em seguida abriu a bolsa com o recém-nascido e colocou o pobre coitado na maca de costas para ele. O desgraçado abusou sexualmente da criança, estuprou sem piedade, ele fazia com gosto enquanto a criança abria aqueles olhos inocentes e berrava. Seus olhos sangravam e sua pele escorria suor. Eu estava paralisado, não conseguia fazer nada para fechar o programa.

Ela não aguentou mais e então, foi fechando os olhos lentamente enquanto a morte á esperava.

O vídeo então terminou com frases que não consegui identificar, eu nem conseguia pensar. Aquilo definitivamente foi a beira para meu colapso. Não consigo explicar o que se passava em minha mente naquele momento. Acho que fiquei trinta minutos olhando para meu desktop.

Já estava amanhecendo, eu me encontrava sentado no chão de costas para a parede. Quando a escuridão foi indo embora eu rapidamente botei meu cobertor na janela para que não entrasse nenhum raio de luz. Meu pensamento estava só voltado para o ódio. Eu comecei a sentir nojo de tudo e de todos ao meu redor. Eu implorava à Deus o meu perdão e que tirasse aquele vídeo da minha cabeça, mas naquela altura, Deus não ajudaria mais. 

Depois de passar o dia todo naquele quarto eu me tornei outra pessoa. Uma pessoa prestes à cometer uma loucura em meio ao caos que rondava sua mente.

Agora era segunda-feira e nada me animava. Trabalho trabalho e faculdade. Pra que viver nesse mundo imundo e nojento? Pra que ir pro trabalho, repetir minha rotina todos os dias e não encontrar uma resposta para aquilo que encontrava-se em minha mente destruída?

Fui até o meu banheiro minúsculo e abri minha caixa de remédios. Não tinha nenhum remédio que pudesse me tirar daquele pesadelo que estava me arruinando. Comecei a vasculhar e achei duas cartelas de paracetamol. Tomei as duas inteiras. 

O que esse mundo tem para me oferecer agora? Tristeza, ódio e dor é o que esse mundo tem a me oferecer. Prefiro acabar com isso agora, não quero morrer aos poucos, não quero ficar sofrendo, isso já basta. 

Feliz daquele que tem um objetivo, um sonho para viver. Feliz daquele que pensa que o mundo amanhã pode ser melhor. 

Se Deus me aceitar, ótimo, irei para um lugar muito melhor. Se Satã me quiser, não estarei no inferno. Inferno meu caro, inferno é aonde nós andamos todos os dias rastejando em seu chão podre e sujo. 

De uma coisa você tem que acreditar. Se o inferno é ruim, a Deep web é muito pior.

Essa foi a carta que recebi de meu amigo Lucas, falecido à 4 meses, só agora tive coragem de mostrar isso a alguém. 

link da história: https://www.youtube.com/watch?v=q_y5m9T_bpE

Créditos: Imnightmere

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória