FANDOM


Nossa pequena cidadezinha no interior nunca esteve tão movimentada como ultimamente. Durante os últimos 3 meses, um serial-killer está amedrontando todos. Ele mata suas vítimas dos piores jeitos possíveis, e também lentos. Mas, sua marca registrada mesmo, é o fato dele arrancar os olhos de suas vítimas. Ninguém, nem a polícia da Região tem a menor ideia de quem seja este maldito. Por isso, meu pai, que estava morando no Centro do Estado, voltou pra cá, já que ele é um dos melhores investigadores de todos os do nosso país.

Matei a saudade do meu maravilhoso pai, e me senti mais seguro. Senti que tudo isso ia passar, e os olhares iriam acabar. Já estava tudo melhorando, e o serial killer não aparecia mais. Certa noite, resolvi sair pra uma balada e voltei por volta de 3h da manhã. A cidadezinha sem postes de iluminação deixava tudo mais obscuro, mas eu não tinha medo. Na realidade, não sei porque as pessoas tinham essa sensação. Passando pelo muro da casa mais bela da minha rua, vi um vizinho espreitando quem passava pela janela. Seus olhos eram demoníacos e tinham um olhar assustador. Eu tentei ignorar aqueles olhos, mas o seu formato acabou completamente com o meu emocional.

Não, isso não pode acontecer.

Acelerei o passo pra as coisas não ficarem piores. Será que elas ficariam piores? Cheguei em casa e fui dormir, e meu pensamento ainda estavam naqueles olhos. Eu não tinha medo, era uma sensação completamente diferente. No dia seguinte, descobri que o vizinho era um colaborador da polícia e também um investigador parceiro do meu pai no caso. Meu pai falava que o serial killer tinha se acalmado e que não havia matado mais ninguém desde sua 14º vítima, que se chamava Helters, um estudante. Ele era do meu colégio e eu lembro de seus olhos estranhos.

No dia seguinte, lá estava o vizinho dos olhos demoníacos novamente. Ele me olhava. Ele me observava. Corri até a escola, e quando cheguei lá, lá estava o carro dele e o seus olhos demoníacos.

Eu tentava ignorar aquilo, mas não dava...

Eu tentei.

Na hora da saída, o carro ainda estava lá. Ele parou e me ofereceu uma carona. Eu aceitei, consciente do que ia acontecer. Mas eu já não ligava mais. Já estava consumido. Numa rua sem nenhum movimento, eu puxei o canivete da minha mochila e cortei a garganta do maldito. Após isso, arranquei seus olhos pra minha coleção. Foi minha 15º vítima. Espero que meu pai nunca descubra.

~Cinco.

História verdadeira. Serial Killer preso em 1998. Relato seu ao policial Fhelps Khortóch.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória