Ordenar por

  • Todos
  • Seguindo

Black Cat - O culto ao Gato Demônio do Brasil

Não vou dizer meu nome muito menos onde moro. Eu tenho quase certeza que ele pode me encontrar de novo se ele quiser. Pode parecer loucura o que estou prestes a relatar (e eu gostaria agora que fosse coisa da minha cabeça). Já não é de hoje que eu tenho fixação por creepypastas e tudo relacionado ao gênero terror. Amo ler sobre. E não faz muito tempo, eu me deparei com uma creepypasta estranha. Não... ela não era perturbadora. Era até bem simples."O gato demônio", ou algo parecido. Ela aparentemente tinha sido escrita por um garoto, que relatava vários incidentes ocorridos em cadeias aqui do Brasil. Nesses incidentes, presos relatavam serem torturados em suas celas com visões demoníacas de um garoto muito branco as vezes, e outras vezes um gato completamente negro de olhos vermelhos. Esses presos acabavam por cometer suicídio em suas celas e deixar cartas com símbolos estranhos. Mas todos elas falavam sobre o tal gato, ao qual se referiam como Black Cat, ou gato demônio. Em um dos relatos, parece que um dos presos cortou seus pulsos e usou seu sangue e pouco tempo restante para deixar uma mensagem gravada na parede da cela: INRI Black Cat.

Eu não vi nada demais na história... nada pesado que me fizesse perder o sono. Mas passados uns dois meses, eu acabei vendo um gatinho preto quando voltava para minha casa, e aquela história voltou a minha cabeça depois de um bom tempo. Resolvi ler ela novamente no mesmo blog de antes. Para minha surpresa, a história havia sido deletada. Achei meio estranho, mas no lugar dela havia outra. Nela, o autor falava sobre o mesmo gato demoníaco, mas de forma diferente. Ele dizia que agora estava sonhando com a criatura... que suas creepypastas haviam sido deletadas misteriosamente. Ele afirmava que a tal criatura parecia não gostar de atenção. Ainda dizia que ela não atacava só presos, mas também pessoas comuns como eu e você. Dizia que ele se apresentava como um garoto amigável, mas extremamente pálido, como se estivesse morto, e na mesma noite que você o conhece, tem um sonho estranho com um gato preto que o persegue. Ele dizia que o intuito da criatura era devorar sua alma. (Achei isso bem cafôna). De qualquer forma, adicionei essa página aos meus favoritos. Estranhamente, como se alguém quisesse despertar minha curiosidade, a página foi deletada no dia seguinte. Fiquei pensando se aquele garoto queria chamar atenção para sua creepypasta tentando tornar ela mais "realista" no que diz respeito a existência daquela criatura. Não dei muita bola... deixei de lado por umas três semanas. Aquilo já não me interessava mais, pois não era à leitura impactante a qual eu estava acostumada. Foi aí que tudo mudou... em uma noite completamente aleatória, tive um sonho estranho: eu estava em um bosque cheio de árvores mortas. Era noite lá. O cenário era muito realista... podia sentir a terra nos meus dedos. De repente eu percebo a minha frente uma forma estranha que se contorce nas sombras. Não consigo ver o que é, e sou obrigada a me aproximar. Ao chegar perto, consigo ver que se trata nada menos do que um gato preto olhando para mim, não com olhos vermelhos, mas sim rosas. Fico encarando ele por um tempo em meu sonho até que ouço uma voz dentro da minha cabeça.

- "Você gostaria de ter liberdade?".

Só me lembro de acordar sem ar, como se algo estivesse em cima do meu peito... algo pesado. Além disso, o mais assustador, foi perceber que não conseguia me mover. Estava parada, como se estivesse paraplégica. Acontece que acho que tive uma crise de paralisia do sono. Pelo que eu pesquisei, não é tão anormal, mas é extremamente horrível se sentir impotente daquela forma... ainda mais quando eu jurava poder sentir alguém (ou algo) me observando paralisada lá. Não me lembro quando aquilo passou. Só sei que no dia seguinte eu me sentia mal... tanto pelo sonho, quanto pela paralisia. Tentei me convencer que aquilo não passou de uma coisa criada pelo meu subconsciente graças ao que eu li naquele blog. Uma pessoa normal não iria mais ler aquele blog depois de sentir o que eu senti, mas eu fiz isso...

Me arrependo agora. Eu devia ter deixado tudo isso para lá e seguido minha vida. Talvez ele tivesse me deixado em paz. Mas não fiz isso... voltei naquele blog, e um novo post havia sido escrito. Algo sobre não ser possível encontrar nada na Internet sobre o tal gato. Que ele se preocupava em destruir todas as provas de sua existência e mexer com a cabeça dos curiosos que ousassem usar seu nome em vão. Achei esse mais pesado que os outros. Ele ainda falava sobre seguidores. A criatura tinha seguidores em uma espécie de seita ou culto, como se fosse um deus. Ele mesmo afirmava que havia recebido um e-mail em que um possível membro da seita o ameaçava para parar de brincar com o oculto dessa forma, ou seu "mestre iria ser obrigado a derramar o sangue de um inocente". Por mais que eu tenha tido aquele sonho, achei que não deveria acreditar nisso... parecia besteira. Percebi que mais em baixo no post havia imagens que não haviam carregado. Em uma tentativa de poder ver do que se tratavam as imagens, tentei recarregar a página. Para minha surpresa, a página estava fora de área... provavelmente por ter sido deletada. Achei muita coincidência...

Naquela noite, eu sonhei novamente com o mesmo lugar... encontrei a mesma criatura. Dessa vez, ele parecia maior, e me olhava de uma forma mais... primitiva. Seu rosto mudou quando a criatura deu o que parecia ser um sorriso de orelha a orelha com seus vários dentes pontiagudos como os de tubarões. Percebi que sangue pingava deles no chão... na verdade escorria em um fluxo que só aumentava. Mas seus olhos estavam estranhos e grandes, e pareciam não olhar para mim, e sim para algo que estava atrás de mim. Me virei e percebi algo perturbador: uma grande cruz com alguém pregado queimava atrás de mim enquanto o gato sorria e admirava. Não conseguia ver quem é que estava ardendo no fogo. Também percebi que haviam algumas pessoas reunidas em volta da cruz... elas usavam mantos e capazes negros e estavam de mãos dadas em uma espécie de dança e cântico estranho. Ouvi novamente a voz na minha cabeça enquanto sentia um gelo na espinha.

"Os crentes queimam mais lentamente..."

Acordei novamente com a mesma sensação de peso do peito. Dessa vez conseguia me mover, mas acho que era melhor não ter me movido e levantado rapidamente... eu vi claramente, no canto mais escuro do quarto, dois brilhos que pareciam ser olhos. Gritei, e na mesma hora eles sumiram. Me levantei da cama e sai rapidamente do quarto chorando e indo até meus pais. Tenho 19 anos, então devem imaginar como me senti assustada para fazer algo tão constrangedor. Eu passei o resto da noite sem dormir. Eles disseram que isso era algo da minha cabeça por eu assistir tantos filmes de terror. Eu queria concordar com eles, mas meu medo falava mais alto. No dia seguinte, achei melhor não me envolver com aquele tema. Mas... algo em mim se corroia por curiosidade sobre aquela criatura. Em uma ação súbita e sem nenhum cálculo, abri novamente o blog do garoto, só pra perceber que dessa vez, o blog inteiro havia sido deletado. Senti um frio no estômago. Decidi fechar aquilo e fazer outra coisa. Olhei meu Facebook, postei algumas coisas. Mas algo macabro aconteceu: já estava pronta para fechar a página quando recebi um pedido de amizade de uma menina chamada Bruna. Até aí nada de mais... não pensei muito para aceitar. Logo em seguida que aceitei, recebi uma mensagem

"Felicitações...
É com bastante alegria que informo que você passou no teste e foi escolhida por Ele."

Fiquei com um receio misturado a medo e um pouco de pavor ao ler aquilo. Demorei um pouco mas respondi com uma pergunta:

"Quem é você?"

Ela não respondeu nada, e olha que eu esperei.

"O que você quer comigo?"

Percebi que ela estava escrevendo. Fiquei esperando um pouco ansiosa.

"Eu não quero nada com você. Só quero informar que você passou no teste."

Fiquei confusa, já que não sabia de que teste se tratava.

"Que teste?!? Do que é que está falando?"

Ela começou a escrever novamente.

"O teste que nosso mestre fez a você. Você passou. Agora só tem que esperar pela visita dele a noite."

Perguntei novamente.

"Quem é você?"

Novamente ela não me respondeu.

"Quem é ele?"

Ela me mandou um emoji sorridente seguido da palavra Deus. Em seguida ela aparentemente bloqueou meu usuário, me impedindo de mandar mensagens para ela. Fiquei apavorada sem saber se deveria contar a alguém sobre aquilo. Acho que não adiantaria... quem iria acreditar em mim?

Durante a noite, não conseguia dormir. Só depois de muito tempo e várias viradas na cama eu caí no sono. Não sei quando o sonho realmente começou. Só me lembro de voltar novamente no lugar de árvores tortas e mortas. Dessa vez, a forma que se contorcia nas sobras não se tornou um gato, mas um garoto, de pele clara e cabelos negros, com um pequeno sorriso direcionado a mim com sua boca rosada. Algo nele era... estranhamente atraente. Ele se vestia todo de preto e se aproximava de mim.

"Agora você acredita em mim?"

Fiquei parada sem fazer nada. Ele se aproximava cada vez mais. Ele era bem alto, e bem magro. Ao chegar próximo a mim, ele pegou minha mão. Percebi que a mão dele tinha um furo no centro. Ele pegou meu dedo e estendeu sua mão, atravessando em seguida meu indicador no buraco.

"Creia"

Aquilo parecia tão real... eu me sentia como se estivesse em êxtase. Não demorou muito, ele começou a me beijar... e o beijo se tornou algo mais em um monte de folhas espalhado pelo chão enquanto ouvia vários barulhos de animais. Não me lembro do que aconteceu. Só me lembro de acordar no dia seguinte me sentindo muito bem. Na verdade nunca em toda minha vida me senti tão bem assim. Não sonhei mais com ele. Não li mais nada sobre ele. Mas... uma semana após o último sonho, senti um enjôo matinal e acordei correndo direito para o banheiro. Eu vomitei, e minha mãe me levou ao médico... descobri que estava grávida. Todos queriam saber quem era o pai. O único problema é que... eu sou virgem....

Eu nem me dei ao trabalho de tentar explicar o que aconteceu comigo. Quem acreditaria?
Post image
0 0

VOCÊS TEM MEDO DE ALGUM BICHO?(BARATAS, ESCORPIÕES, ABELHAS, ARANHAS, ETC.)

EU TENHO PAVOR DE ABELHAS, EU COMEÇO A FAZER BIRRA QUANDO VEJO UMA VOANDO


CIGARRA E BARATA TBM

0 0

VITOR MY CHOCOLATE HAPPY BIRTHDAY 12

HAPPY BIRTHDAY! VITOR! HEY FRIEND HI! GO SLEEP GOOD DAY VITOR! VITOR!
GIYGAS EAT CHOCOLATE BECOME GIYGAS DARK VITOR GIYGAS: MOM YES EAT
CHOCOLATE STORY: MY BABY VITOR MY KID VITOR MY VITOR TEEN MY MOM! FUCK SHIT MY BIRTHDAY NOT PUNCH GAH MY HEEE MMMMOOOOOMMMM MY CHOCOLATE VAZIO EAT CHOCOLATE!!!!!! YOU! MOM! ME!!! YES MOM MY FUCK KILLED ME DISCONNECT RING GOLD DAD MOM MY DIE FUCK GO TO WATER MY DIEDDDDDDDDD!!! FEMALE: HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!! *WATER SOUNDS* SHIT GO TO ASYLUM *RUN FEMALE* MY FUCK KILL FEMALE MY FEMALE!!!!!!!!!! NOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!@!!!!!!!
Post image
0 0
0 0

As piores cinco noites

Olá....se você estiver lendo isso é porque eu estou morto ou algo aconteceu comigo..eu estou trabalhando no turno da noite em uma nova franquia de restaurantes chamada Five nights at Freddy’s e Eu estava precisando de emprego e não sabia o que estava acontecendo lá dentro, porque já a via boatos da morte de 5 crianças no restaurante e que as almas estão dentro dos animatronics e eu não acreditava muito nisso achava que era só uma lenda que invernaram.

Comecei a trabalhar na mesma noite e o meu chefe disse pra toma cuidado mas eu achei que era besteira

1 -noite

Os animatronics andam pelo restaurante a noite e por algum motivo querem me mata isso não tava me deixado nervoso só que eu ouvia choros de crianças chorando a cada hora e tinha um coelho acho que o nome dele e Bonnie que tentava chegar perto da minha sala mas eu conseguia me livrar dele.

2- noite

Continua igual mas pelo que notei tem mas animatronics se movimentado e um deles me deixa nos nervos e uma raposa pirata que eu acho que e Fox o nome dele ele sempre ficava escondido e saia devagar pra me pegar de surpresa mas eu sempre consegui escapar dele e tem um funcionário que ficar ligado de noite e noite pra me ajudar a sobreviver.

3- noite

Me contaram que tem um urso dourado na cozinha alguns chamam ele de golden Freddy e o Bonnie tá bem próximo da minha sala nesse exato momento e tem a Chica tentado morde o fio de ligação...acabou a bateria do meu celular vou te que ficar ouvido esses sons bizarros que saem dos animatronics...porra o Fox entrou na minha sala mas eu estou escondido embaixo da mesa mas vai se difícil até ele sai

4- noite

Eu comecei a ver o golden Freddy andado pelos corredores e conversado com os outros ou algo parecido só sei que eles estão irritados e começaram a andar na minha direção perguntei ao meu chefe sobre isso e ele disse que era normal mas na real não era ele estava tão assustado quer não conseguiu responder no telefone me falaram que vão mudar de pizzaria se essa não de certo mas eu estou um pouco nervoso porque de dia ficar pequeno e de noite ficar enorme como se não tivesse fim e a mesma coisa com os animatronics

5- noite

Eu vi um homem com um terno roxo e ele parecia um homem meio psicopata mas ele começou a procurar por alguém e eu queria avisar a ele que não era seguro a noite mas ele nem ligou e continuo procurando alguém e eu tava nervoso e o meu chefe mandado eu tira ele de lá só que minha sanidade estava alta de mas e eu poderia mata ele 3h da manhã vou sai daqui não aguento nem mas um segundo e quando os animatronics me viram começaram a vi na minha direção e eu consegui sai do restaurante

6- noite

Não acredito que acabei voltado pra cá mas tenho que consegui a ficar mas 6h aqui mas parecia impossível e eu tinha que liga o gerador do restaurante e tinha uma mãe de uma das vítimas reclamado com o meu chefe e eu vi quando ela saiu só que ela desapareceu do nada só vi um homem de roxo 4h parece está tudo normal...pera alguém contou o gerador e os animatronics começaram a vi e eu consegui escapar só que quando eu cheguei na recepção eu vi o mesmo homem com a chave do restaurante no lado de fora ....quando eu consegui achar a saída de emergência ele estava me esperando do outro lado com uma faca e disse “você já sabe de mais” e ele veio atrás de mim... só me lembro disso e acordei em um animatronic mas eu só quero me vingar dele mas do que tudo
Post image
1 0

Quero ser uma vampira.

eu sou nova aqui, vampiro existe ?

1 1

Annie The Proxy

Eu só percebi agora, já com 19 anos...que a alegria....nao existi e nunca existiu, porque digo isso?...bom..

Eu tinha mais alegria do que tristeza, mas....o mundo, eles e eu mesma fiz ser o que eu sou e sempre serei hoje

Para quem não sabe, Eu me Chamo Annie, e essa é a minha origem, foi quando eu pisei nesse maldito mundo

Eu era apenas uma linda menina de cabelos castanhas andulados e olhos pretos, todos achavam que eu era uma Emo mas eu era uma menina cheia de alegria e educação, além disso eu era um pouco tímida quando eu era mais nova, mas para mim isso era totalmente normal, mas mesmo assim eu fazia amizades rápido, nunca menti pros meus pais e nem meus amigos, mas o que todos me estranhavam é que eu só usava preto mais nenhuma outra cor só preto eu nem sabia o por que eu usava preto

Em 2002 quando eu tinha 3 anos ouve uma coisa que eu nunca vou esquecer, eu estava brincando no quintal de atrás da minha casa e atrás da minha casa havia uma área florestal onde todos diziam terem visto um homem alto de terno, de pele branca e sem rosto eu tinha medo de olhar pra floresta, mas naquele dia foi diferente, eu estava brincando de bola cons meus amigos no quintal de trás da minha casa derepente a bola acabou pulando a cerca até a floresta meu amigo disse que ia pegar mas eu insisti pra eu pegar e perder meu medo daquela floresta, então eu tomei toda minha coragem e pulei a cerca até a floresta era muito assustadora parecia que eu tinha me perdido e do nada comecei a senti uma sensação estranha de que alguém estaria me observando mas eu não liguei, até que eu vi a bola assim quando eu agarrei ela a sessão estranha estava pior mas assim quando eu agarrei fique olhando a bola por 3 segundos até que eu olhei pra frente e consegui ver a distância de um entre as árvores ele era alto, usava um terno preto, tinha a pele branca e ele não tinha rosto e estava me observando eu me assustei e balancei a cabeça para saber se era um sonho ou não eu olhei novamente não estava mais lá eu me aliviei mas assim que eu me virei pra trás dei de cara com o homem alto e sem rosto eu tomei um grande susto que acabei caindo no chão de medo um dos tentáculos dele tocou nas minha costas dando uma dor imença mas eu consegui forças levantar pegar a bola e sair correndo, eu fui correndo até os meus amigos e cheguei lá já gritando e chorando mais do que tudo nesse mundo

- Gente! Gente!

- O quê foi Annie? O que aconteceu?

Disse Jimmy, um amigo muito querido meu, ele tinha cabelos castanhas claros e olhos castanhas claros, ele era muito fofo e gentil comigo, eu conheci ele quando tinha 2 anos e 3 meses

- Eu não sei....eu vi...um ....um... monstro sem rosto!..eu não sei.. o que era!..

- Por acaso você não se olhou no espelho?

Disse Kelly, uma garota de cabelos castanhas quase loiro, curtos, e olhos verdes folhas, ela era um pouco mais velha do que eu.., ela era minha amiga, mas ela era muito arrogante e grossa com todos, principalmente comigo, o porque...eu não sei...

- Não! não tinha espelhos lá, eu juro que eu vi! Vocês podem até me chamar de Louca ou Estranha, mas eu juro que eu vi

- Então deixa de ser mentirosa! Sua esquisita mentirosa!

Disse ela se aproximando de mim e ficando de cara á cara com ela...foi um momento...muito constrangedor na minha vida

Então ela disse na minha cara olhando na ponta dos meus olhos pretos

- Ser Mentirosa você sempre é....agora Ser falsa e esquisita....ja ta no máximo! Sua Emo Mentirosa!!

Disse Kelly me dando um empurram tão forte que fez eu cair no chão do gramado verde folha

- Você devia ser mais educada com os outros!

Dizia eu em levantando me andando para longe dela, mas ela disse algo que eu nunca vou esquecer na minha maldita vida! Ela disse...

- E quando será que você vai ser Triste e depressiva?! Hein?! Me responde garota!

Então eu em virei e disse com toda a minha calma

- Eu não sei...e nem quando, eu não quero confusões com você

- Tá legal sua Emozinha, só fique sabendo de uma coisa....você um dia...Um Dia! Você será triste e deprimida! Estamos os Quites!

Então ela se virou e foi embora, de cara feia, como sempre, não era a primeira vez que ela fazia isso comigo, porque 6 meses atrás, ela me deu um soco tão forte nas minhas costas que ficou doendo a tarde toda, foi uma horrível dor imença que eu jamais irei esquecer

Eu tentava parar de ser amiga da Kelly, mas idiota como eu era, achava que ela precisava de alegria na vida, então mesmo apanhando forte por ela...eu continuava sendo amiga daquela garota

Minha amiga Zõe, de cabelos castanhas chocolate com tranças e olhos azuis brilhantes disse com o seu lindo jeito doce de ser..

- Não liga para ela Annie, Ela só tá com inveja de você, por você ser feliz e ela não

- Obrigado Zõe...mas Eu não acho que ela tenha inveja de mim..ela só precisa sorrir para a vida..

- Ah Annie, como assim, ela não sorri para nada, ela também briga com os próprios pais, isso não é vergonha na cara, se fosse eu já tinha quebrado as costas dela!

Disse Alice, uma garota de cabelos ruivos com um tom de alaranjado e olhos cinza claro, ela era a mais durona e fria do grupo, mas eu sabia que no fundo ela tinha um bom coração

Como eu estava com muita dor nas minhas costas, eu pedi para que me levassem para casa

Ao chegar em casa a minha mãe Evellyn e o meu pai August, viram que eu estava cambaleando até chegar na porta, o pai foi imediatamente me ajudar, a minha mãe em perguntou preocupada

- Filha! O que aconteceu com você?!

Eu tive que inventar qualquer desculpa

- É..que...Mamãe Eu...caí com força no chão, aí bati as minhas costas

- Mas tá doendo muito?

Tive que balançar a minha cabeçinha indicando um "não" a minha mãe se aliviou...porque odiava ver a minha mãe se preocupando comigo

Na mesma noite eu não conseguia dormir eu não tirava aquilo da minha cabeça até que do nada eu começei a tucir forte fui até o banheiro e começei a tucir sangue e vomitar muito até senti uma dor imença nas minhas costas eu tirei a roupa para ver o que eu tinha e vi nas minhas costas uma cicatriz grande de um círculo em forma oval que batia as costas inteiras e havia um X enorme dentro do círculo batia algumas linhas pra fora e meu sangue que saia pela costa não era vermelho era preto eu me assustei e não mostrei minhas costas pra mais ninguém nem pros meus pais

Desde daí, a minha vida começou á virar o verdadeiro inferno, pois eu comecei á ter pesadelos todas as noites, eu tive que dormir com os meus pais todas as noites, eu sonhava com o homem alto e sem rosto correndo atrás de mim! E quando eu não sonhava com esse homem eu sonhava com o Diabo querendo me pegar, eu via vultos nos cantos dos meus olhos pretos, mas eu ignorava e pensava que poderia ser coisa da minha cabeça, mas até aí eu comecei á ver vultos na casa toda e principalmente no meu quarto, eu ouvia vozes assustadoras, eu sentia ser observada, eu sentia do nada uma mão tocar em meu ombro e quando eu me virava eu não encontrava ninguém atrás de mim, eu comecei a ter vontade de ir á floresta ou em cemitérios, na verdade eu nem sabia o por que eu estava lá, e voltava para casa á pé, e todas as vezes que eu ficava sozinha em casa, eu sentia alguém me observar e nao era só isso eu também ouvia e sentia passos, Mas aos poucos fui me acostumando com isso, eu quase me multilava, eu só não fazia porque eu não era tinha coragem, isso tudo aconteceu durante 9 malditos anos! Desde de quando eu tinha 3 anos de idade, Eu falava para os meus pais, Mas eles não acreditavam em mim! Não acreditaram na própria Filha!

Mas eu sofri tanto, mas eu sofri tanto! Que só lembra disso já dá vontade de chorar, ninguém merecia ter passado no que eu passei

Anos se passaram e eu continuava tendo essas assombrações na minha vida, á cada dia que passava eu ficava pior, mas eu tentava não me demonstrar medo ou algo do tipo, quase entrei em depressão por causa disso

Na escola, e também mudei muito, antes eu era uma ótima aluna exemplar, eu só tirava otimas notas, mas aos poucos eu fui mudando, porque antes eu só tirava A ou B, na quando eu tinha 11 anos, Eu tirei a nota E, nunca tirei uma nota tão baixa com aquela, Eu fiquei me culpando por ter tirado uma nota daquelas, quase me matei por causa dessa maldita nota, eu sei...que Eu fico desagerada com essas notas, mas é porque eu raramente tirava notas daquele tipo, não eram só os alunos que perceberam o meu comportamento á anos, também foram os professores, até a Professora de Literatura, me chamou para conversar com ela na sala particular, sobre esse meu comportamento

Naquele dia eu entrei na sala antes do intervalo e tentei disfarçar, porque naquela época eu odiava todos se preocupando comigo

- Oi Sra Stewart, a senhora me chamou?

- Ah! Oi Annie! Entre por favor!

- Claro!

Disse eu, entrando dentro da sala, e se sentando em frente á mesa da professora

- então Sra Stewart, o que eu fiz de errado?

- Na-Nada Annie, você é uma ótima aluna, sempre tirou notas boas, mas nesses últimos anos, você está meio que...Mudando

- Como assim mudando? Explique-me direito essa historia!

- Bom, você ultimamente olha muito para a janela, na segunda série, você ficava desenhando coisas estranhas, tipo um homem sem rosto e de Terno, você desenhava símbolos estranhos e talz, você também chega na escola muito cansada, você olha muito para a Tesoura do seu material, com a esperança de se matar! Alguma coisa com a sua família?

Eu fiquei espantada com tudo aquilo que ela disse, mesmo assim, ninguém acreditaria em mim, então eu inventei qualquer desculpa

- ...É nada...eu juro, sei lá, eu tenho tendo muitos pesadelos ultimamente, então por isso eu tenho não dormido bem, é nada

- Mas e os desenhos?

- É coisa que eu invento, e olhando para as janelas ou a Tesoura, também deve ser coisa da sua cabeça!..

- Você tem certeza?

- Sim...Eu juro!

- Tudo bem...Você pode ir!

- Ok, obrigado!

Disse eu saindo da sala de aula e indo até a porta de Carvalho, e lá encontro Jimmy, Zõe, Alice e óbvio Kelly

- Annie! Como foi lá?

Disse Zõe

- Annie, você está bem?

Disse Jimmy, colocando a sua mão no meu ombro

- E-Eu..eu estou bem! Não se preocupem comigo!

- Mas como foi lá?

Disse Alice, com uma cara de preocupada

- Foi...

Antes de eu terminar a minha frase, a grossa da Kelly me interrompe

- Ela te expulsou?!

- Não! Só conversamos sobre o meu comportamento!

- Mas ela devia ter te expulsado á muito tempo!!

- Kelly, a Sra Stewart é apenas a nossa professora de Literatura, ela não é a diretora nem nada!

Disse Zõe me defendendo

- Cala a Boca Garota! Essa é uma conversa só minha e da Annitty!

Eu odeio quando me chamam de Annitty! Então eu disse com raiva, Não só porque me chamou desse apelido odiando, mas sim porque a Kelly mandou a minha melhor amiga calar a Boca na minha frente

- Kelly! Não é assim que se trata uma amiga!

- Vocês não são meus amigos!! Sua falsa!

Eu não acreditei, que ela me chamou de Falsa! Na minha cara! Eu não aguentei, eu realmente iria resolver o problema, com as palavras sem violência, mas parecia que essa garota merecia mesmo uma violência

- Eu não sou falsa! E não fala assim com a gente!!

- Agora você fica se fazendo de coitadinha Né! Sua Mentirosa!!

- Não fale assim comigo!! Você devia ter mais respeito com as pessoas menina!! Eu não sou sua mãe para você ficar gritando com ela não!!

- Você é uma mentirosa!! Isso sim!!

Eu juro que eu perdi a paciência naquela hora! Então eu me virei de costas e disse

- Eu não vou ficar discutindo com você!

Foi um erro horrível que eu cometi senquerer

A Kelly ficou com tanta raiva que ela acabou me dando um soco tão forte nas minhas costas que acabei caindo no chão frio e sujo do corredor

Lembrando aquela sicatriz do símbolo ainda estava nas minhas costas, doeu muito, eu gritei muito alto que todos os alunos que passavam no corredor, ficaram assustados

- Nossa! Me desculpe! Ah você merecia cair, Sua Estúpida!!

- Ahhh!! Sua...sua....sua....!!!

- sua o que?! Sua Tonta Estúpida!!

- Sua Filha da Puta Maldita!!!

Eu nunca falei um palavrão daqueles, mas sim eu devia ter dito aquilo na cara dela á muito tempo

eu me levantei, eu fui até ela e á empurrei, eu juro que eu senti alguém tendo controle das minhas ações, parecia que não era eu que estava fazendo aquilo

Eu fiquei em cima dela, eu comecei a quebrar os ossos do braço dela, dava para ouvir um barulho horrível de estralos de longe, eu comecei á arrancar as mechas de cabelo dela, ela chorou e gritou muito alto

A cabeça dela começou á sangrar dolorosamente, eu colocava as minha mãos na cabeça dela que está cheia de sangue e lâmbia, eu sentia o gosto de Ferro duro e quente em minha língua, foi um pouco nojento, mas eu adorei, eu mesmo assim continuava torturando a garota, os meus amigos ficaram tão assustados com aquilo que até a Zõe desmaiou lá mesmo, Alice chorou e Gritou, eu pude ver as lágrimas transparentes de Jimmy saindo de seus olhos castanhas claros, muitos alunos choraram, gritaram, berraram e até alguns desmaiaram, eu fiquei arrependida com aquilo que eu mesma tinha feito do nada, mas para mim, ela já tinha merecido isso á muito tempo

Mas eu juro, que eu vi Um Homem, mas não era os funcionários ou os Professores, mas esse homem, era alto, mais alto do que o próprio teto de 5 metros, ele tinha mais ou menos a altura de um poste de luz, ele também usava um Terno preto com uma gravata preta, e adivinha ele não tinha rosto, sim...eu juro que era ele, não era minha cabeça, Não era nada, ele estava alí mesmo, só eu pude vê-lo, eu vi naquela hora que nesse tempo todo, eu não estava louca, na verdade eu estava certa

Ele começou á fazer uns zumbidos altos em minha cabeça frágil, eu ouvi muitos barulhos na minha cabeça, eu ouvi Gritos, Gemidos, mas o que eu mais ouvia era Choros, choros de adultos, crianças e de Qualquer tipo, eu vi vultos pelos cantos dos corredores, eu vi até fantasmas chegando perto de mim, eu também pude ver alguns tentáculos saindo do Homem sem rosto, isso me deixava mais impinotisada, como se fosse uma cascavel, me atraindo para a sua refeição

Eu também vi crianças de aparência entre 3 á 10 anos, ela estam correndo pelo corredor, foi tipo lá em casa, mas eu nunca tinha visto em outros lugares como um lugar público como a escola ou outro lugar qualquer que seja

Eu vi elas correrem muito pelos corredores, algumas delas chegaram perto de mim e tocaram o meu rosto de disseram, algo que eu nunca irei esquecer, elas disseram

- Você fez um ótimo Trabalho, Annie! Você será uma de nós!

Eu fiquei imóvel, por alguns segundos, ou eram segundos da minha cabeça mesmo, para mim pareciam segundos, mas realmente pareceia minutos ou mais para os outros

Depois a criança saiu de perto de mim, eu acabei desmaiando lá mesmo

As últimas coisas que eu me lembro foi, o Homem sem rosto, chegar perto de mim já caída no chão

Quando eu acordei, Eu estava em uma cama de hospital, eu estava confusa, eu não me lembrava o que tinha acontecido antes de eu ter desmaiado, tentei gritar ou falar alguma coisa, mas eu estava rôca, não pude dizer quase nada, só balançar a minha cabeça, Então eu fiquei lá mesmo esperando alguém chegar e me Explicar direito o que realmente aconteceu

Até os meus Pais chegarem e me virem acordada, eles me abraçaram, como se quase eu tivesse morrido, eu perguntei confusa

- Mãe..Pai...O que aconteceu?

- Você não se lembra de nada filha?

Disse a minha mãe, eu fiquei rôca denovo, Então eu só balançei a minha cabeça indicando um não

Então ela me Explicou o que realmente aconteceu

- Bom Filha, á 6 dias atrás, a Escola ligou dizendo que uma coleguinha sua, te bateu e você partiu para cima dela, você quase matou ela!...

- O quê?...6 dias, eu fiquei desmaiada á 6 dias?!...e...a..Kelly?..como ela está?

- Ela está bem, ela só está com alguns arranhões fortes, mordidas e umas mechas de cabelo arrancadas, mas ela está bem!

- Pelo menos isso!

Disse eu, me aliviando, por ela não ter morrido, mas eu fiquei assustada, pois eu nunca tinha feito isso com ninguém! E Eu quase matei ela, se eu não tivesse desmaiado, ela já estaria morta agora por minha causa

- Annie! E você desmaiou lá mesmo, agora minha filha, só me responda, Por que você fez isso?

- Bom Mãe, boa pergunta, eu também não sei o porque eu fiz aquilo, eu juro que não fui eu mesma, eu geralmente não sei

- Você tem ceterza?

Eu balançei a minha cabeça indicando um sim

- Tudo bem!

Assim que eu recebi alta, eu voltei para casa, e não toquei mais naquele assunto

Eu fiquei isolada por dias, na verdade foi mais semanas

Por que fiquei isolada, bom...na verdade eu estava com medo, de ver o Homem novamente, Então eu me isolei por um tempo, só para esfriar a minha cabeça por um tempo, desde então eu nunca mais vi o Homem, mas as coisas sobrenaturais continuaram só que mais forte e mais assustador, eu comecei a chorar todas as noites de medo e de desespero

Dias depois, em uma manhã de segunda-feira

Eu fui para Escola normal com se nada tivesse acontecido, chegando lá, assim quando Eu entrei no 7° série, eu vi Jimmy, Zõe, Alice e Kelly

Kelly parecia estar Mais calma, a cabeça dela estava toda enfaixada, mas quando eu entrei, a minha classe era do pessoal mais velho então, assim quando eu cheguei lá, todos me aplaudiram, eu fiquei confusa, pois dias atrás eu quase matei minha colega, então eu fui até a minha carteira, e disse para a Kelly

- Kelly...

- O quê você quer? Sua psicópata!

- Não me ch.....Eu só vim pedir desculpas por aquele dia! Eu juro eu não tive intensão, eu não sabia nem o que eu estava fazendo, eu sinto muito por você!

Ela então deu um sorriso, e disse para mim

- Ohhh!! Annie! Me encontre no beco atrás da escola, depois da aula!

Eu fiquei com medo, pois ela disse que ia ser num beco atrás da escola, mas idiota como eu era, aceitei

- Err...Claro tudo bem, eu te encontro lá!

Assim quando eu respondi ela sorriu para mim, depois da aula eu fui até o lugar marcado, e assim que eu cheguei lá, não tinha ninguém, estava um completo vazio, não havia nenhuma alma viva no beco, eu achei que poderia ter sido alguma enganação ou algo assim, mas assim quando eu ia embora eu senti uma dor horrível vindo das minhas costas, eu cai no chão frio e sujo do beco, assim quando eu me

Virei vi que era a Kelly, ela tinha me dado um soco forte nas minhas costas, é assim quando eu me virei, ela me deu com soco tão forte no meu olho direto preto, eu caí naquele chão sujo, ela disse enquanto eu estava caída no chão

- Bem Feito! Sua desgraçada!!

- M-me Desculpa...

- Desculpas não Adiantam! Você foi mexer com a Valentona e se lascou com A Valentona!

- M-mas eu...Juro que não tive intensão de fazer isso! Eu nem sei o por que eu tinha feito aquilo com você...Por favor me perdoe!

- Hahahaha! Para de ficar se fazendo de inocente coitadinha, Sua Pirralha Vadiazinha!!

- Eu Não sou Pirralha!

- É sim!

Disse ela, antes de se agachar e olhar diretamente para os meus olhos pretos, que estavam cheios de lágrimas de dor, e disse no meu ouvido

- Eu...te...Odeio! Sua Maldita Vadiazinha Estúpida!! Entendeu?

Eu não consegui, responder então eu apenas balançei a minha cabeça

Ela sorriu e começou á me provocar e me machucar muito mais

Ela então chutou a minha cara, me dando uma dor horrosa

- Até Logo! Fofa Estúpida!!

Disse ela saindo do Beco com um sorriso nojento em seus lábios grossos e acenando com a mão direita

Assim que ela saiu, Eu fiquei olhando para cima

- Por que?...por que? Isso foi logo acontecer comigo?...

Eu acabei desmaiando

Quando eu acordei, o olho direto estava ardendo muito, eu chorei muito por causa daquela maldita dor insuportável, eu fui correndo para casa, chegando lá, eu entrei pela porta da frente e assim que eu passei pela sala onde os meu pais estavam, eles perceberam

- Annie? Esta tudo bem com você?

Disse a Minha mãe se levantando e indo até mim, eu tentei cobrir o meu rosto com o meu moletom preto, mas mesmo assim ela desconfiava

- Er...E-Eu...estou bem! Mamãe!..

- Annie por que você está de moletom, em julho?

Disse o meu pai

- ...É que..eu tô com frio...

Eu senquerer deixei cair o capuz, mostrando o meu olho direto, todo roxo, ardia muito, eu nem conseguia enxergar naquele olho

Minha mãe, ficou ainda mais assustada, que acabou colocando as suas mãos, nos seus lábios grossos

O meu pai, também ficou assustado, mas ele acabou ficando quieto

- Filha! O que aconteceu com você?! Quem te machucou?!

- É Annie, você nos deve uma boa explicação! Quem encostou o dedo em você?!

Disse os meus pais, eu sabia que eles estavam furiosos mas eles mais tinham, era um susto

- Er...bem..eu..

- Você pode falar, quem foi que te machucou, Annie Mayers?

Mais uma vez a Annie! Idiota como sempre foi, disse

- Não Mamãe e Papai! Ninguém me bateu, Eu só escorreguei e bati a cabeça na minha mesa, nada de mais!

Disse eu, tentado disfarçar

- Você tem Certeza, Annie? Não foi a Kelly?

- Não Mamãe, Kelly e eu estamos de boa! Até fizemos as pazes

- Sério?

Eu balançei a minha cabeça indicando um Sim!

- Tudo bem, vá para o seu quarto! Você deve estar muito cansada!

- Tudo bem Mamãe!

Eu subi as escadas de Carvalho negro, E fui até o meu quarto, e fechei a porta com tudo e disse para mim mesma

- Merda Annie! Merda!! Por que eu não falei verdade para os meus pais! Como eu fui idiota! Grrr!!

Eu fiquei com tanta raiva de mim mesma que eu comecei até jogar os meus travesseiros, para a janela de vidro, eu sentia raiva de mim mesma, depois de ter desabafado um pouco, eu fui para o canto do meu quarto, e me sentei lá mesmo, eu fiquei lá cobrindo o meu rosto, eu fiquei lá por tanto tempo que eu acabei adormecendo lá mesmo

Quando eu acordei, Eu espera que já estava de manhã, mas assim que eu acordei eu fui olhar para o canto do meu quarto, E vi! Eu vi ele lá no canto escuro do quarto, os meus olhos se arregalaram, eu tentei me levantar, mas parecia que algo ou alguém me segurava para eu não me levantar, Eu também tentei gritar, mas eu estava paralisada de tanto medo, Então eu comecei á chorar muito, eu fechei os meus olhos pretos, e fiquei torcendo para que fosse tudo um pesadelo horrível

Eu abri os meus olhos e vi que ele não estava mais lá, eu me aliviei, mas assim que eu virei a minha cabeça para frente, eu tomei o maior susto da minha vida, Eu vi ele de novo só que na minha frente de cara á cara com ele, eu acabei desmaiando

Quando eu acordei, eu estava na minha cama, como se nada tivesse acontecido, então eu achei que poderia ter sido um pesadelo estúpido

Até aí, a minha vida piorou ainda mais

Kelly não largava do meu pé, sempre quando eu chegava na escola, assim que eu via ela, Eu me escondia atras de alguém ou alguma coisa, eu comecei á parecer em casa com hematomas de pancadas ou algo assim

Uma vez, era tarde de Terça-feira dia 9 de Março de 2010

Eu estava voltando da escola á pé, pois a escola só era uns 5 Quarteirões da minha casa, então não era tão longe assim, e eu já tinha idade para ir á pé

Eu estava caminhando sozinha, pois eu era a última do grupo á chegar em casa por último

Enquanto eu andava pelas caçadas frias e geladas da Rua, eu parei por um segundo e tive a clássica sensação de estar sendo observada e vigiada, as minhas mãos pequenas e pálidas começaram á suar frio, eu sentia minha respiração ficando mais rápida á cada segundo

Eu ignorei o máximo possível e continuei andando até chegar em casa

Enquanto eu caminhava, eu passei do lado, de um velho playground, onde eu e os meus amigos, brincávamos quando tínhamos 4 á 9 anos de idade

Eu sei que eu já estava com 11 anos naquela época, mas eu continuava gostando de coisas de criança, eu esqueci a tal sensação estranha e que eu estava atrasada até chegar em casa, que acabei entrando naquele playground

Eu fiquei olhando para os brinquedos de criança, como escorregador, gira-gira e trepa-trepa, mas o brinquedo que eu mais amava era o Balanço

Eu cheguei perto daquele balanço de criança, e sentei-me em cima dele, eu coloquei as minhas mãos pequenas e frias nas correntes de ferro gelado do balanço, e eu coloquei os meus pés no chão de folhas verdes e profundas, e dei um impulso para eu começar á balançar

Cada vez que eu balançava, eu me lembrava do meu passado, quando eu brincava com os meus amigos, quando eu era mais nova, foram momentos maravilhosos da minha vida

Até que eu finalmente dei um pequeno e delicado Sorriso fofo de criança nos meus lábios finos

Tudo estava indo bem, até...

Em frente ao playground tinham uma área florestal, era um grande conjunto de árvores de carvalhos escuros e profundos, com um conjunto de folhas verdes e profundas, havia cercas em volta da floresta, com placas de perigo e área restrita

Para mim, Não parecia nada de mais, só uma coincidência

Foi o que eu pensava por poucos segundos, até eu olhar para o que eu nunca esperava ver de novo

Eu vi aquele homem sem rosto, ele estava me observando, na ponta dos meus olhos, ele estava entre as árvores de carvalhos escuros, ele só me observava, na ponta dos meus olhos pretos e profundamente escuros

As minhas mãos pequenas e delicadas começaram á suar frio e gelar de medo, o meu coração batia rápido e forte, a minha respiração ficou ofegante, Eu tentei me mover ou gritar, mas eu estava imóvel, e não saia a minha voz para gritar por ajuda

Então eu fechei os meus olhos pretos, com a esperança de tudo aquilo ser apenas um sonho

Mas assim que eu abri, o Homem estava agora fora da cerca, eu pude ver aqueles tentáculos saindo de suas costas, me dando arrepios de medo

Eu começei á tucir do nada, eu tucia forte, como se eu tivesse vomitando algum órgão dentro de mim

Eu achei que eu iria desmaiar, mas por pouco eu consegui forças para me levantar, pegar a minha mochila, e ir correndo para casa

Eu corria como nunca, eu corria por causa do medo e do pavor, des daí eu nunca mais voltei para aquele playground

Assim que eu cheguei em casa, eu tentei sair de fininho até o meu quarto, pois eu odiava ver a minha mãe se preocupando comigo

- Annie Mayers

Uma voz feminina disse atrás de mim, me fazendo eu tomar um pequeno susto, eu me virei para ver a minha mãe com os braços cruzados e com uma cara de raiva

Eu tentei disfarçar

- Hehe...Oi Mãe..

- Oi Nada! Onde você estava? Eu fiquei preocupada!

Eu tive que inventar qualquer desculpa para não piorar as coisas que já estavam pioradas, e se eu dissesse o que eu vi, a minha mãe não me deixaria sair mais de casa ou não acreditaria me mim, como sempre

- É que...eu estava na escola fazendo um Trabalho de...Historia

- Mas eu não fiquei sabendo de nenhum trabalho

- É que um...Trabalho individual, ou seja eu devo fazer sozinha, então eu me atrasei um pouco, me desculpe!

- Tudo bem Filha, é..vai para o seu quarto descansar um pouco, você deve estar muito exausta

- Tudo bem mãe!

Disse eu, antes de subir as escadas de madeira profunda, e ir até o final do corredor, onde ficava a porta do meu quarto

E fiquei lá deitada, pensando naquele homem...

Na escola, as coisas continuavam da mesma forma, eu tentava agir como se nada tivesse acontecido

Mas não adiante nada, tudo me fazia piorar

Teve uma vez, que eu tinha chegado da escola, e fui fazer a primeira coisa que eu fazia com os meus amigos, que era, ir para a Biblioteca da escola, estudar ou ler alguma coisa para destrair um pouco até a hora do sinal tocar e todos irem para as suas classes

Enquanto eu lia, o meu livro preferido, que era Sobrenatural, eu vi que a história era quase igual á minha, pois era uma assombração, que era de um demônio ou espírito, isso me deixou assustada, Então eu guardei o livro na estante, me levantei e disse para os meus amigos

- Gente...vam-mos...voltar para a...a...s-sala..!

Disse eu nervosa e gaguejando, com uma cara de medo e assustada

- Mas Annie! Ainda nem deu o sinal da primeira aula!

Disse Jimmy, Então Alice disse

- É Annie, ainda não deu a hora!

- Annie? Você está bem?

Disse Zõe

- E-Eu...estou bem! Não se preocupem comigo!

- Não Annie! Desta vez não!

Disse Alice, se levantando da cadeira de carvalho e colocando as mãos na mesa de Carvalho, ela parecia irritada comigo

- O-o quê?...

- É Annie, já chega! Para de ficar mentindo para nós, dizendo que está tudo bem! Que na verdade não está nada bem!

Disse Jimmy, concordando com a Alice

- M-mas eu estou bem!

- Annie falando sério! Você não está bem! Eu sei, eu te conheço desde que nós tínhamos 2 anos e 3 meses! Você pode confiar na gente, nós somos os seus melhores Amigos! Nunca te deixaríamos na mão!

Disse Zõe segurando as minhas mãos frias de medo

Eu ia contar a verdade, mas para que, se ninguém acreditaria em mim

- É que...

Na hora o sinal tocou eu já sai nervosa e disse

- Bom gente, parece que ja deu á hora! Haha...vamos para a aula de Biológia!

- Mas Annie...

Disse Zõe, e eu mesmo assim, tentei disfarçar, e assim que eu saí da biblioteca, eu senquerer esbarrei, e assim que eu ia ajuda-la a se levantar, adivinha quem era...sim...era a Kelly

- Você!! Sua Pirralha maldita!!

Disse ela com uma cara de irritada, no início eu não sabia nem o que fazer, eu só disse com uma cara de Beicinho

- O-oi Kelly! Tudo bem? Tchau!

Disse eu correndo, como um rato correndo de um grande gato

- Volte aqui Menina!! Desta vez você não escapa!! Sua vadiazinha!!!

Eu corri tanto, corria como uma formiga, eu acabei saindo da escola, e indo para a calçada, eu parei um pouco e fiquei respirando fundo, eu olhei pros lados para ver se ela estava ainda atrás de mim, mas eu não á vi, me aliviei, mas o alívio se foi quando eu á vi na frente da porta de entrada e sainda escola

Eu gritei e corri mais ainda, ela não parava de me seguir, eu corri tanto mais corri tanto! Que eu acabei indo para uma estrada de uma floresta restrita, e assim que eu vi ela correndo até mim, Eu não tive opisão, ao não ser entrar lá mesmo sem autorização

Eu então pulei a cerca e corri, Kelly também pulou a cerca e continuou me perseguindo, eu me escondi atrás de uma grande árvore, eu fiquei lá, chorando de medo e preocupação, eu torcia para que ela me deixasse em paz

Eu comecei á ouvia passos de perto que significava que ela estáva se aproximando de mim

- Annnniiiee!! Apareça de onde estiver! Você não precisa ter medo de mim! Eu só quero brincar com você um pouco, de te matar! Sua Emo vadiazinha!!

Eu comecei á chorar, mas eu não fazia barulho, eu pude ouvir um barulho de algo afiado, eu tive a curiosidade de olhar e vi, que ela tinha um canivete afiado de cabo vermelho escuro quase vinho

Eu chorei ainda mais, pois desta vez ela iria me matar mesmo

Então é isso, esse é o meu fim? Eu comecei á pensar nisso

Até, eu novamente ver, o Homem sem rosto entre as árvores, eu não fiquei com medo, na verdade eu já tinha me acostumado com isso á muito tempo, só tinha percebido naquela hora, ele chegou perto de mim, é ficou me olhando de longe, Eu não temia, eu só ficava olhando para ele, sem nenhuma expressão

Não durou muito tempo, até eu olhar para o lado direto, e ver Kelly, com o canivete em suas mãos grandes, eu gritei, como uma louca, eu tentei fugir novamente, mas ela agarrou o meu pulso direito, e puxou para devolta atrás da árvore grande

- Não!! Me larga!! Sua puta!!

- Cala A Boca, Escrota!! Agora eu mando nessa merda agora!!

- Eu não te fiz nada para você!! O que você quer de mim? Hein Kelly!!?

- Você nasceu, me agrediu e quase me matou!! Agora está na hora de você morrer!! Sua Maldita!!

- Não Kelly por favor!! Não faça isso!! Me desculpa!!

- Desculpas não adiantam!! Agora você tem que ser punida!!

Disse ela, abrindo o canivete e começando a cortar o meu ombro esquerdo, ela só deu um pequeno corte de 3 centímetros e mesmo assim doeu muito, como se fosse arrancando um dedo de mim, eu chorei muito

Depois dela ter mutilado o meu ombro, ela começou á cortar o meu rosto, ela me deu um corte de 5 centímetros na minha bochecha direita, outro foi um corte de 3 centímetros no meu queixo e outro foi de 7 centímetros ao lado esquerdo em cima do meu olho esquerdo da minha testa

Sangue negro era escorrido no canivete de lâmina afiada

Mas ela não ficou empresionada com isso, na verdade ela nem ligou e nem prestou a atenção nisso

Aquela maldita garota ria, ria muito, parecia que ela amava ver eu sofrendo de dor ou alguma coisa do tipo

A dor que eu sentia era insuportável, parecia não ter fim nenhum, eu começei á chorar muito, chorava mais era de dor, a dor era tão grande que eu começei á gritar alto

Mas os gritos meus foram tampados, pela mão nojenta, nos meus lábios finos, eu só pude chorar, Então ela disse

- Dá para você calar a sua boca, Pirralha Emo!!! Porque eu não terminei ainda, nós estamos apenas começando á brincar! Sua estúpida!

Eu tentei gritar por socorro, mas não adiantava pois estávamos longe demais, da calçada

Eu achei que eu iria morrer, Então eu fechei os meus olhos pretos, com a esperança de tudo aquilo acabar, lágrimas transparentes saíram de meus olhos pretos fechados

As últimas palavras que surgiram na minha frágil cabeça foram..."É isso, esse é o meu fim?..."

Até eu abrir um dos meus olhos e perceber que Kelly não estava mais lá em cima das minhas pernas, Então eu olhei pros lados e não achei ela, aí eu olhei para a frente e vi ela lá na frente, entre as árvores, mas ela não estava sozinha, pois o Homem que eu tinha visto estava enfrente á ela

Então eu me levantei e fui até ela correndo, assim que eu cheguei lá perto dela, vi que ela parecia mesmo hipnotizada, pois eu passei a mão esquerda na visão dela e não aconteceu nada, ela estava com os olhos viradas fazendo eles ficarem completamente brancos, então eu olhei para cima e vi o Homem sem rosto, lembrando, eu não tinha mais medo dele, só ficava olhando

Eu fiquei lá o-encarando, até o pior acontecer

Do nada, Kelly começou á ter um tipo de ataque epiléptico, e ficou meio que se tremendo, mas ela não caia no chão de jeito nenhum, ficou assustada e nervosa

Derepente, ela se sentou no chão de folhas secas e sujas, e começou a cavar com os próprios dedos, ela cavava até os dedos até ficarem sujos de terra, ela cavava até o fundo, agora foi a parte mais Nojenta e suja que eu já vi em toda a Minha maldita Vida

Ela começou á achava larvas e outros insetos do solo sujo de terra, Então ela começou á pega-los com as suas próprias mãos, Então ela começou á devorar, as larvas e a sujeira também, ela comia os insetos como se fossem uma carne saborosa, eu quase vomitei, eu cobri a minha boca com as minha mãos pequenas

Depois de ter devorado tudo que podia ser devorado, ela caiu no chão frio e sujo da floresta, e desmaiou, eu olhei para trás e não vi mais o Homem, Então eu saí correndo até chegar em casa

Eu combri o meu rosto pálido com o meu capuz preto, escondendo o meu o meu rosto e os cortes

Chegando lá, os meus pais notaram que eu estava em casa mais cedo, então a minha mãe disse

- Filha? Você em casa á essa hora?

- É...mãe, é que...a Sra Owens, dispensou os alunos mais cedo, Então eu vim para a casa a pé mesmo!

- Você tem certeza, Annie Mayers?

- Sim, mãe! Confie em mim!

- Tudo bem, ok, é...vai para o seu quarto e descanse um pouco, você está muito exausta!

- Ok mãe!

Eu então subi as escadas de madeira, e fui para o meu quarto que ficava, no fim do corredor do andar de cima da minha casa

Eu entrei lá, e me deitei na cama, eu fiquei lá olhando para o teto, e pensando no que tinha acontecido

Foi real? Ou coisa da minha cabeça? Eu fiquei pensando assim

A noite caí, eu estava estudando História, pois haveria prova daqui á 2 semanas, e desta vez, eu não iria tirar E denovo

Enquanto eu estava estudando, eu sentia uma sensação de estar sendo observada, pela janela, eu tive a coragem de me levantar e olhar, e assim eu vi no lado do poste o novamente o Homem sem rosto, mas eu apenas o-observava, os meus olhos não se desviaram daquele rosto branco, sem nada, As minhas mãos começaram á suar frio, zombidos começaram á aparecer na minha cabeça, eu não conseguia desviar os meus olhos pretos dele, tentei fecha-los mas eles não fechava, tentei me mover, mas eu sentia alguém com o controle das minhas ações, que acabou me fazendo ficar paralisada, mais forçada, do que de medo

Eu começei á tucir, tucia forte parecia que eu iria vomitar sangue, eu tucia tanto, que eu acabei caindo no chão, eu tucia como nunca tinha tucido na vida, eu comecei á chorar de dor de garganta

Então eu acabei tucindo sangue, o meu sangue não era vermelho mais sim Negro, eu fiquei mais assustada do que nunca

Depois de tanto tucir, eu consegui parar, Então eu tentei esconder, o sangue negro no chão, com tapetes, e assim que eu consegui esconder, a minha mãe abriu a porta do meu quarto, e disse

- Filha?

- Ah! O-oi Mãe!

Disse eu tentando parecer o mais calma possível

- Annie, você está bem?

- Sim Mãe! Eu estou ótima!

- Bom, o jantar já está pronto, você não vai descer? Eu fiz aquele Frango assado, como você adora!

- Ah Sim mamãe! Eu já vou comer, só espere uns 5 minutos, que eu já estou decendo lá em baixo!

- Tudo bem Filha!

Assim que a minha mãe saiu, Eu fiquei pensando, se foi tudo real ou coisa da minha cabeça mesmo

- Foi real ou...sei lá! Melhor esquecer isso! Já basta isso!

Disse eu, para mim mesma, antes de abrir a porta de Carvalho e descer as escadas de madeira, e ir até a sala de jantar, e me sentado na cadeira do meio, com a minha mãe do lado esquerdo e o meu pai do lado direito

Foi um maravilhoso banquete, assim que a minha mãe colocou o meu prato na mesa, eu do nada perdi a fome, achei muito estranho, mas não liguei mesmo assim

Eu me recusei á comer, eu nem toquei na comida, parecia que eu não tinha fome, eu só fiquei lá olhando para os meus pais se alimentando, a Minha mãe parou de se alimentar para me perguntar

- Annie! Você não está com fome?

- É..não, mãe eu perdi a fome do nada, mas é estou bem mesmo assim!

- Ok então!

E continuou á se alimentar

Depois eu me retirei da mesa e voltei para o meu quarto e me tranquei lá mesmo

Então como não tinha nada para fazer, Eu tentei dormir, mas eu não conseguia dormir de jeito nenhum, parecia que algo não me deixava descansar

Então mais uma vez, curiosa como eu era, me levantei e fui até a janela para ver se eu via novamente ele, mas não tinha nada lá, isso foi por 10 segundos, do nada ele apareceu, ao lado do poste, me encarnando novamente

Eu fique imprecionar com isso, mas eu mesmo assim continuava o-encarar, eu fiquei encarando por mais ou menos 3 minutos

Do nada, a minha visão começou á ficar embaçada, eu pude ver aqueles tentáculos aparecerem por trás das costas dele, e via a sua boca negra se abrindo

Eu me assustei muito, que eu acabei desmaiando

Do nada, Eu acordo na minha cama, eu estava suando frio, Então eu coloquei a mão no meu coração, o meu coração batia rápido, Então eu suspirei fundo e disse para mim mesma, agora mais calma

- Foi T-tudo um s-sonho!

Então por causa do meu medo estúpido, Eu me levantei da cama para ir á janela, e adivinha não havia mais nada, Então foi uma prova que tinha sido um sonho idiota

Eu voltei á minha cama, e tentei voltar á dormir, eu não conseguia dormir por causa do medo, para mim, as horas não passavam, nem os minutos e segundos, parecia que o tempo não passava logo

Dia seguinte de manhã na escola

Eu aji normalmente, como se nada tivesse acontecido, na classe, os meus amigos foram até mim preocupados comigo e disseram

- Annie!! Annie!! Você está bem?!

Disse Zõe

- Annie nos ficamos preocupados com você, você correu da Kelly, e não tivemos notícias suas mais! Ficamos preocupados com você

Disse Jimmy

- Não se preocupem comigo gente, Eu estou ótima agora, está tudo bem!

Disse eu com um sorriso descréto, tipo sorriso da Mona Lisa

- Mas e a Kelly, ela não apareceu hoje?

Disse Alice preocupada

- Bom, Ela desistiu de me perseguir, Então eu voltei para casa!

- Tudo bem então, vamos para a aula!

Disse Jimmy

Eu tentei disfarçar com tudo, depois da escola, eu peguei o ônibus escolar e fui para casa

Enquanto o ônibus passava ao lado de uma área florestal, eu encostei a minha cabeça na janela do ônibus e fiquei lembrando daquilo de ontem de noite, se era real ou não

Do nada eu vejo uma vigura encapuzada, entre as árvores, não era o Homem sem rosto, mas sim, era um garoto, ela parecia ser mais velho do que eu, e ter mais ou menos 17 anos

Ele tinha uma pele pálida quase cinza, ele tinha cabelos castanhas, ele vestia um moletom castanha listrado com um tom de azul e castanha, e um capuz azul cobria a cabeça dele, ele tinha calça cinza, óculos de proteção de lentes amareladas, ele segurava 2 Machados de lâminas afiadas e ele tinha uma máscara bocal, listrada cobrindo a sua boca, ele me observava diretamente nos meus olhos, parecia que ele me esperava lá mesmo

Mas eu tentei não ligar, e ficar quieta, poderia ter sido apenas uma reconhecidencia boba

Assim eu cheguei em casa, eu fui até o meu quarto e tentei esquecer tudo

Mas os pesadelos nunca pararam, depois eu não tive mais notícias da Kelly

Fiquei Julho todo sem tem notícias de Kelly ou nem ao menos ver o tal do Homem sem rosto, me senti tranquila por um tempo, mas do nada tudo voltou e desta vez pior ainda foi no triplo desta vez

Mas o que eu nunca vou me esquecer foi de uma vez

Era uma madrugada comum de sempre, Eu não conseguia dormir mais, então para me relaxar eu desci as escadas de madeira e abri a porta dos fundos

Os meus pés com as minhas meias brancas e longas tocaram o gramado frio e verde, eu então deitei-me no gramado verde e macio, e fiquei lá deitada no gramado, olhando para o céu escuro todo cheio de estrelas pequenas e brilhantes, que brilhavam em meus escuros e pretos

Isso foi bom por um tempo, até eu escutar um barulho de estalo vindo daquela maldita floresta onde eu o-encontrei aquele Homem sem rosto

Eu me levantei e curiosa como eu era, fui ver o que era, pois coriosidade de criança é infinita

Eu cheguei perto da floresta mas não entrei dentro, só fique olhando e esperando algo acontecer

E aconteceu

Eu pensei que poderia ter sido algum esquilo ou outro tipo de animal pequeno, então eu desisti, eu decidi retornar ao meu quarto, pois eram 4 Am e eu estava acordada uma hora dessas

Quando eu estava prestes á colocar os meus pequenos e delicados dedos na maçaneta fria

O esperando aconteceu

Eu do nada ouvi

- Psiu!

Eu me assustei, mas na hora que eu me virei para trás, eu vi o inesperado

Eu vi ele, não o Homem mas sim, o garoto com a máscara de boca, ele estava lá entre as árvores, apenas me observando na ponta dos meus olhos pretos e escuros

Eu fiquei gelada com nunca, eu comecei á suar frio, as minhas mãos estavam geladas e frias, os meus olhos pretos estavam esbugalhados de susto e pavor

Ele então apenas disse

- Ei! Vem Cá Garotinha!

Então eu obedeci e fui até ele

Ele se ajoelhou para ficar na mesma altura que eu, Ele estendeu a mão enluvada dele, e disse, eu pude ver ele sorrindo para mim, mesmo ele usando a máscara de boca

- Olá, O meu nome é Toby, mais conhecido como Ticci Toby, e como você se chama?

Eu fiquei nervosa, mesmo assim eu não conseguia ser mal educada, não só por isso, no cinto dele tinha dois machados, de lâminas afiadas, mas ele não pareceu me enganar e acabar me atacando ou me machucando

Na verdade eu me senti tranquila quando eu dei a minha mão á ele, de alguma forma eu me senti protegida, então eu respondi

- Eu me Chamo Annie!

Ele então disse

- Annie é um nome muito bonito! Você parece ser uma menina muito doce e gentil! Eu fiquei sabendo no que você fez com aquela garota maldita, você foi incrível Annie!

Eu fiquei muito Corada com aqueles elogios que ele me disse

- Bom Você quer se juntar á nós?

- Hã?... O quê?..

Eu fiquei nervosa, pois como assim "nós"? Havia mais deles?

Muitas perguntas e dúvidas surgiram da minha cabeça, mas não foi por muito tempo, como eu esperava

Antes que ele pudesse falar alguma coisa, eu ouvi a minha mãe me chamado

Assim que ele ouviu a voz da minha mãe ele disse rapidamente

- Até Logo Annie, estaremos te esperando!

- Espera! Me esperando? onde? E quando?

Não deu para Ele Me responder, ele entrou dentro dos arbustos e sumiu

A minha me chamou para dentro, e eu á obedeci

Eu entrei no meu quarto, deitei-me na cama, e fiquei olhando pro teto, eu me lembrava dele, Eu me sentia protegida e segura

Todas as vezes formaram assim

Mas eu nunca mais vi o Garoto, ou como eu vou chama-lo Toby

Meses depois, no ano de 2011, o pior ano da minha vida

Chegou o grande dia então eu segurei todo o pensamento que eu passei em toda minha vida e fiquei Alegre novamente depois da festa eu estava abrindo os meus presentes até que minha mãe disse que tinha o ultimo presente no canto era um presente de caixa média e todo preto e tinha fita preta amarrada perfeitamente em volta da caixa e tinha uma etiqueta presa na fita que dizia que era pra mim mas o que mais me assustou na etiqueta que não dizia de quem era só dizia que era pra mim mas eu não liguei porque achei que a pessoa poderia ter esquecido de colocar o nome dela e só colocou o meu nome então com muita delicadeza eu abri o presente com cuidado sem rasgar a fita preta e só tinha uma Máscara Branca de olhos e lábios negros e tinha sobrancelhas finas pretas com deitadas demonstrando tristeza, na máscara havia uma lágrima negra do lado esquerdo escorrendo na bochecha branca

Mas a máscara não tinha um sorriso na verdade tinha uma cara triste dava até vontade de chorar cada vez que você olhava pra máscara e não era só a máscara também tinha uma nota que estava escrito

"Annie, você fez uma parte do trato, agora você está preste á ser uma de nós, está máscara te deixará como você devia ser"

É, não dizia de quem era eu fiquei muito assustada que guardei a máscara dentro da minha bolsa porque dia seguinte a minha família e eu iríamos nos mudar para outra vizinhança, durmi aquela noite ouvia vozes na minha cabeça do tipo "Você não deveria ter feito isso!", "Não leve isso na brincadeira, Annie isso ira te prejudicar muito!"

Dia seguinte

quando cheguei na casa nova era a coisa mais assustadora e bizarra de toda minha vida a casa nova era uma casa Antiga tinha móveis antigos, estava empueirado e tinha muitas teias de aranhas, havia também 2 andares então eu subi as escadas para cima e fique tinha 4 cômodos, que eram os dois quartos e o banheiro mas o que mais me deixou com dúvida sobre o final do corredor no andar de cima havia um outro quarto fui ver o que tinha mas a porta estava trancada pedi para o meu pai abrir pra mim mas ele disse que ele não podia abrir a porta porque o antigo dono da casa me fez jurar para não abrir a porta porque algo macabro estava aprisionado dentro do quarto e que jamais era para liberta la, naquela hora eu fiquei com tanto medo que acabei ficando quieta e acabei mudando de assunto, tentei esquecer aquela porta mas ela é que me chamava de noite eu acabei tendo um pesadelo que eu estava entrando no quarto e assim quando eu entrei eu acordei e olhei pro meu relógio e vi que era 3:00 da manhã eu tentei voltar a dormir mas o sono não vinha então eu ouvi um barulho vindo do final do corredor eu tomei coragem e fui ver o que era e vi a porta que antes estava trancada agora estava aberta eu pensei que meu pai poderia ter aberto pra mim então eu acabei indo até a porta e assim quando eu entrei lá dentro a porta fechou com força comigo lá dentro e eu só vi um quarto sem janela, todo escuro tinha velas não acesas, uma folha de papel branca o quarto estava todo empueirado tinha também teias de aranhas mas o que mais me assustou foi que no meio do quarto enfrente a porta havia um espelho grande oval que em volta tinha uns detalhes negros e macabros nele, o espelho também estava em empueirado então vi que tinha um fósforo perto e usei ele para acender a vela para iluminar melhor o espelho assim que cheguei perto fiquei olhando meu reflexo por 5 segundos até que o espelho acabou se embaçando do nada e ele mesmo acabou escrevendo no espelho "Annie"

Eu fiquei a assustada então eu limpei o espelho até que eu vi meu próprio reflexo totalmente assustador e macabro ela era muito parecida comigo ela estava com a cabeça abaixada e aos poucos ela foi subindo para cima até eu ver o seu rosto assim quando eu vi seu rosto eu me assustei que eu acabei pulando para trás de medo a menina era igualzinha á eu só que tinha Uma pele branca pálida, cabelos pretos e uma pele pálida, então eu tomei toda a minha pequena coragem, me levantei e disse

- Quem é você?

A menina do espelho respondeu

- Eu sou você!

Eu fiquei gelada com um bloco de gelo congelado, eu então peguei o resto de coragem que eu tinha e disse

- O que você quer de mim?

A menina respondeu

- Eu quero que você se junte se A nós!

Eu perguntei confusa

- Quem? quem são eles?

A menina respondeu

- Apenas seja uma de nós!

Então eu disse

- Sim, o que eu faço para ser uma de vocês?

A menina disse que na próxima noite era pra eu estar no quarto novamente só com mesma roupa, água sanitária, álcool, um isqueiro, lápis preto, um papel branco e principalmente a máscara

Ela abriu a porta magicamente pra mim sai correndo até o meu quarto e não dormi a noite toda, pois toda hora que eu começava a pegar no sono, eu ouvia vozes macabras e barulho de passos pelos corredores da casa

Dia seguinte eu não contei nada pra ninguém porque eles iriam achar que eu estivesse ficando louca, minha mãe, Evellyn, tinha percebido o meu comportamento, eu estava muito cançada, deprimida, eu não era assim, eu juro que eu sentia que não era eu, pois eu costumava ser todo o oposto daqui que eu fui, ficava trancada no meu quarto, mal alimentava, eu começava á ter medo de tudo ao meu redor

Á noite eu fingi estar dormindo quando bateu 3:00 da manhã eu já tinha preparado tudo assim quando bateu 3:00 em ponto ouvi porta abrindo assim eu peguei as coisas e fui para o quarto sem fazer barulho para não acordar meus pais assim quando eu entrei no quarto a porta se fechou com força comigo lá dentro mas não me assustei aí assim que a porta se fechou sozinha a menina do espelho apareceu novamente ela disse se eu estava pronta Eu respondi

- Sim

então ela disse que precisa me jogar água sanitária e depois álcool, e acender a vela, escrever na folha de papel o meu nome em letra grande e colocar de baixo do espelho, eu fiquei segurando a vela e repetindo as palavra "Annie!, Você está aí?" Três vezes depois disso ela apareceu novamente e disse para eu chegar mais perto do espelho Eu não queria chegar mais perto mas eu senti algo me obrigando a chegar mais perto, assim que eu cheguei mais perto a menina levantou a máscara mostrando a sua boca com um sorriso ela estava dando uma risada macabra eu me afastei mas aí eu senti um cala frio que me fez olhar pro canto escuro do quarto e no canto havia um Homem alto, de terno, de pele branca e sem rosto era o mesmo homem que eu vi quando eu tinha 3 anos, o homem alto foi até o espelho e ficou ao lado dela, eu fiquei com muito medo mas eu senti algo me forçando á chegar mais perto eu fiquei de cara á cara com a menina até que o seu braço direito atravessa o espelho magicamente agarrando meu braço esquerdo naquela hora eu achava que eu iria morrer mas com toda minha força consegui escapar a menina voltou para o espelho rindo macabramente e nunca mais á vi eu também fugi mas a porta estava trancada e a vela tinha caído no chão e o chão era de madeira acabou se espalhando pelo quarto inteiro o homem alto desaparece como um fantasma o quarto estava pegando fogo menos a máscara e envolta do espelho que formava uma proteção meu corpo também começou a queimar e arder começei também gritar e chorar de dor mas eu não estava aguentando mais naquela hora era o meu fim eu acabei não aguentando tanta fumaça antes de eu morrer eu coloquei a máscara em mim e a última coisa que eu vi foi o espelho que não queimava, minhas últimas palavras foram "Você está Triste, agora?!"

É isso...aquilo era o meu fim?

Mas antes de tudo ao meu redor que era fogo, ficar totalmente escuro, eu sentia uma mão fria e branca tocar o meu ombro direito, assim que eu me virei

Tudo ficou escuro do nada

Quando eu acordei do nada no meio de uma floresta sinistra não sabia o que tinha acontecido estava confusa, quando fui ver minha mão ela estava toda branca igual á um papel não só minhas mãos meu corpo todo, meu cabelo também antes era castanha, agora estava todo preto escuro, eu fui engatinhando até um Rio próximo e olhei meu reflexo na água meu rosto está todo branco como um papel, tinha olheiras pretas, meus lábios estavam finos e brancos minhas sobrancelhas estavam pretas e finas e meu corpo estava todo gelado como se fosse um cadáver

Consegui forças para me levantar assim que me levantei, senti mais ardência nas minhas costas

- Merda....espera oq aconteceu comigo?

Quando eu olhei para trás, vi um bilhete colado em uma árvore, eu peguei o bilhete e li em voz alta

- "Você está Triste?" O quê? Como assim, onde eu estou? E o que aconteceu comigo?!

Eu acabei lembrando dessa frase, um tempo atrás, foi a última coisa que eu tina ouvido, naquela maldita noite

Eu me ajoelhei no chão de folhas secas, e começei á chorar, eu vi que as minhas lágrimas arma como o meu sangue, negras, não eram transparentes como antes, Eu fiquei mais assustada ainda

Então eu me levantei

Então eu olhei para trás e vi no local onde eu fui morta, tinha aquela maldita máscara que eu ganhei no meu maldito aniversário de 12 anos, eu tinha me cançado de sofrer por espiritos e demônios, todas as noites desde que eu tinha 3 anos, foram 9 malditos anos de sofrimento, eu não quero que isso se repita comigo......mas Eu quero que isso se repita com você

Então eu peguei minha máscara e coloquei em meu rosto pálido e sem cor e alegria, e jurei a mim mesma, que nunca mais irei demostrar um sentimento meu qualquer, nunca mais irei sorrir, nunca mais irei chorar, só serei uma expressão séria e triste

Eu também olhei para uma árvore, e tinha uma capa preta, que está nos galhos de baixo da árvore, eu peguei aquela capa e vesti ela em mim, a capa era tão grande que batia no chão

3 semanas depois

Eu estava em casa novamente, era madrugada, chovia muito, meus pais estavam dormindo, então eu quis provar a minha lealdade ao Operador, pois ainda não tinha achado a minha primeira vítima perfeita

Eu fiquei escondida atrás da escada, esperando eles descerem, fiquei lá em baixo por um tempo, até eu ouvi passos descendo das escada de Carvalho, e vi que era o meu pai, então assim que ele entrou na cozinha, eu peguei ele por trás, e começou á gritar, e tampei a boca dele, e levei ele pro porão

Lá eu amarei ele em uma cadeira e começei a tortura, eu peguei um martelo e dei Marteladas nele no crânio, na cabeça e no coração, até ele dar um último suspiro e morrer

Minha mãe ouviu os gritos do meu pai, e ligou para a polícia, e disse que tinha um assassino dentro de casa, eu ouvi toda a conversa que quis fazer uma morte mais violenta pra minha mãe

Assim que ela desligou o telefone, eu comecei entrar de mansinho pelo quarto e fiquei no canto escuro do quarto e disse com uma voz calma e triste

- Oi Evellyn, ou...Mamãe

- OQ?!

Dizia a minha mãe olhando para o canto escuro e se arregalados os seus olhos verdes folha

- Você não se lembra de mim?

- Não...quem é você?

- Lembra.....aquela que não tinha tristeza

- Annie?! É você, Filha?!

- Sim Mãe

Na hora minha mãe saiu correndo do quarto e até o corredor, mas ela foi puxada para o quarto do fim do corredor, o quarto onde aconteceu toda aquela maldita desgraça comigo, e a porta se fechando com força, com ela e eu lá dentro, eu estava segurando uma vela e álcool, minha mãe olhou pra mim com os olhos arregalados e cheios de lágrimas prestes á chorar

- Annie! Isso não é possível você morreu!

- Se eu estivesse mesmo Morta, eu não estaria aqui na sua frente falando com você!

- Então você não morreu?!

- Não, mas já tá na hora de você encontrar o papai lá no céu!

Dizia eu, jogando o álcool no chão e jogando a vela no chão, assim quando a vela caíu lentamente no chão, as chamas começaram, quando a minha foi me ver pela última vez antes de morrer, eu tinha escapado, pois antes da vela ter contato com o álcool, eu senti uma mão branca e gelada no meu ombro e quando eu me virava, eu estava fora do quarto, mas sim no quintal da minha casa, eu vi de longe o quarto pegando fogo e eu ouvindo os gritos de desespero da minha mãe, eu não podia mais sorrir, mas eu sentia alegria

Mas minha alegria foi pra fora quando eu ouvi barulho de sirenes de polícia, luzes vermelhas e azuis piscavam rapidamente com a sirene, eu logo entrei dentro da floresta e nunca mais foi vista

Quando os policiais entraram dentro da casa e viram os corpos dos meus pais, não havia pistas, não havia nada, que provasse que alguém que havia ter feito toda aquela desgraça, então só acreditaram que a causa da morte dos meus pais tinha sido suicídio, por depressão que sentiam por perderem a garota Emo Gótica, chamada Annie

2 semanas depois

Eu retorno novamente até á minha antiga e velha casa a qual não via á 2 semanas, pois estava cercada de policiais, então era difícil entrar e sair por lá

Eu entrei por lá, pela porta dos fundos, assim que entrei em casa, eu fui logo procurar o que eu mais precisava agora que eu já era Solitária e de um Serial Killer, eu precisava de algo para me completar

Enquanto eu andava pela casa, eu passei do lado esquerdo da escada que levava até o porão, ou seja o local onde eu matei o meu pai

Eu senti um grande impulso, que me fazia ter vontade de ir para o Porão, pois lá eu acharia o que eu precisava naquele momento

Assim que eu girei a maçante de madeira, eu empurrei a porta de Carvalho escuro, para frente, fazendo á-abrir completamente com um só empurrão, Assim que ela abriu completamente, eu entrei

Eu fiquei descendo as escadas de madeira até chegar no chão frio e sujo do porão

Cada degrau que eu descia, fazia o clássico barulho de madeira sendo pisada ou uma porta de madeira sendo aberta

Assim que eu finalmente descia as escadas de madeira, e pisei com os meus sapatos pretos, no chão frio do porão sem alma, mesmo assim eu me sentia super confortável, naquele local frio e assustador, havia no ar um cheiro horrível e nojento de carne estragada, como se tivesse jogando e largado um Cadáver lá dentro

Não havia mais os corpos dos meus pais, pois á semanas, cremaram os corpos deles, mas mesmo assim permaneciam o cheiro desagradável de um Cadáver em decomposição

Eu fiquei procurando algo para me completar, e não achava

Até eu achar, eu olhei para a velha cadeira de carvalho onde eu torturei o meu pai, estava ao lado da cadeira um Martelo

Eu me aproximei do martelo que estava cheio de sangue, eu me ajoelhei e o-peguei com as Minhas mãos frias e pálidas

O Martelo era novo, feito de um ótimo e duro ferro, era bem pesado, ótima coisa para quebrar os ossos, com um cabo de madeira de Carvalho claro, tinha uma boa ponta afiada, que podia quebrar ossos de uma vez só, e a parte de trás, era ótima pois dava para rasgar a carne das vítimas e furarem a sua pele e carne

Mesmo o martelo estando ensanguendo, ainda permanecia nele, o seu brilho que fazia a sua sanidade morrer em apenas um olhar

Antes de eu ir para fora da casa, eu parei por um segundo

Do nada eu comecei á me mastigar, Eu mastigava a minha carne do braço esquerdo, até sangrar, sangue negro e quente saia do meu braço esquerdo, doía muito, como se eu tivesse sendo esfaqueada pelo braço esquerdo

Eu engoli toda a minha dor e vontade de chorar ou gritar alto, e troquei por uma emoção tranqüila e calma, eu coloquei o meu dedo indicador no meu sangue negro, e coloquei o meu dedo ensanguentado na parede do porão escuro, e escrevi com o meu próprio sangue o seguinte "Me Desculpe" e ao lado um grande Círculo com um X dentro feito de sangue negro

O meu braço esquerdo, sangrava muito sangue negro, mas eu não sentia dor, eu não sentia absolutamente nada, eu olhei para uma mesa de madeira clara, e encontrei uma caixa de Primero socorros

Eu me aproximei da caixa, e o-abri, tinha uma faixa longa e branca, que servia para segurar o sangue

Eu peguei a faixa e enrolei ela no meu braço esquerdo, em cima da ferida, fazendo a ferida, parar de sangrar

Eu amarrei forte, puxando com os meus dentes brancos e afiados que poderiam muito rasgar uma carne

Depois de finalmente eu terminar de enfaixar e parar de sangrar

Eu peguei o meu martelo e o segurei com força com a minha mão direita, eu dei uma risada alta e de psicopata

Eu saí do porão e sai daquela maldita casa, mas para esquecer tudo que me fazia de mal

Eu fui até a garagem, e peguei um galão de Gasolina, outro de Álcool e uma caixa pequena de fósforos de Carvalho claro

Eu fui até o meu velho e antigo quarto, e comecei á jogar álcool primeiro depois a gasolina, Eu comecei á espalhar pela casa toda a gasolina e o Álcool, isso era para eu esquecer essas horríveis lembraças que me atormentavam durante anos

Quando eu finalmente terminei, Eu Estava na porta da frente, eu acendi um fósforo de madeira clara, antes de jogar o fósforo já aceso na gasolina misturada com o Álcool transparente

Eu disse para mim mesma

- Adeus família, eu espero muito que no céu, seja tão lindo quanto essa terra nojenta e miseráveis

Foi quando eu deixei a minha mão branca e pálida cair no chão de Gasolina e álcool, assim que o fogo fez contato com o Álcool transparente e a gasolina forte, as chamas vermelhas e laranjadas começaram

As Provas e pistas que poderia ter sido eu, foram queimadas até virarem cinzas escuras

Eu me afastei, e comecei a rir do nada, a Minha garganta começou á arder com a risada bruta e louca que eu fazia á cada segundo

Então eu parei de rir, eu apolhei o martelo no meu ombro direito, Eu olhei para a minha antiga casa pela última vez antes de me virar para trás, e caminhei normalmente

Eu caminhei até a floresta mais próxima que estava lá

E só para eu ser mais clara, por que eu estou viva do nada, bom, só para esclarecer

Eu nunca morri naquela noite

E hoje já faz 7 anos que eu sou uma deles, você deve tá se perguntando, Quem eu realmente sou?...Bom meu nome é Annie Berry Myers, mais conhecida como, Annie The Proxy

Agora Com licença, eu tenho que fazer as pessoas terem tristeza ao invés de alegria

Eu preciso dar marteladas, nas pessoas para elas saberem o que senti á muitos anos

Para aprenderem á acreditar, Eu faço isso...porque Eu Adoro ver a alegria morrer

Se eu me arrependo disso?...Eu nunca me Arrependi...


Eu posso só te perguntar uma coisa? Você quer ir Pro Céu?
Post image
0 0

Vitor Creepypasta Story ALSO JUMPSCARES EAR RAPE SCARY SUPER OLD HOUSE

My Boy Look slender man Forest Go enter car mom and dad go to Mcdonald's Go To movie Watch Slender Man Movie Good Night sleep Nightmare.
Post image
0 0

Creppypastas s q n

Vcs acham q vou ter criatividade pra fazer histórias?
0 0

Annie The Proxy

Eu só percebi agora, já com 19 anos...que a alegria....nao existi e nunca existiu, porque digo isso?...bom..

Eu tinha mais alegria do que tristeza, mas....o mundo, eles e eu mesma fiz ser o que eu sou e sempre serei hoje

Para quem não sabe, Eu me Chamo Annie, e essa é a minha origem, foi quando eu pisei nesse maldito mundo

Eu era apenas uma linda menina de cabelos castanhas andulados e olhos pretos, todos achavam que eu era uma Emo mas eu era uma menina cheia de alegria e educação, além disso eu era um pouco tímida quando eu era mais nova, mas para mim isso era totalmente normal, mas mesmo assim eu fazia amizades rápido, nunca menti pros meus pais e nem meus amigos, mas o que todos me estranhavam é que eu só usava preto mais nenhuma outra cor só preto eu nem sabia o por que eu usava preto

Em 2002 quando eu tinha 3 anos ouve uma coisa que eu nunca vou esquecer, eu estava brincando no quintal de atrás da minha casa e atrás da minha casa havia uma área florestal onde todos diziam terem visto um homem alto de terno, de pele branca e sem rosto eu tinha medo de olhar pra floresta, mas naquele dia foi diferente, eu estava brincando de bola cons meus amigos no quintal de trás da minha casa derepente a bola acabou pulando a cerca até a floresta meu amigo disse que ia pegar mas eu insisti pra eu pegar e perder meu medo daquela floresta, então eu tomei toda minha coragem e pulei a cerca até a floresta era muito assustadora parecia que eu tinha me perdido e do nada comecei a senti uma sensação estranha de que alguém estaria me observando mas eu não liguei, até que eu vi a bola assim quando eu agarrei ela a sessão estranha estava pior mas assim quando eu agarrei fique olhando a bola por 3 segundos até que eu olhei pra frente e consegui ver a distância de um entre as árvores ele era alto, usava um terno preto, tinha a pele branca e ele não tinha rosto e estava me observando eu me assustei e balancei a cabeça para saber se era um sonho ou não eu olhei novamente não estava mais lá eu me aliviei mas assim que eu me virei pra trás dei de cara com o homem alto e sem rosto eu tomei um grande susto que acabei caindo no chão de medo um dos tentáculos dele tocou nas minha costas dando uma dor imença mas eu consegui forças levantar pegar a bola e sair correndo, eu fui correndo até os meus amigos e cheguei lá já gritando e chorando mais do que tudo nesse mundo

- Gente! Gente!

- O quê foi Annie? O que aconteceu?

Disse Jimmy, um amigo muito querido meu, ele tinha cabelos castanhas claros e olhos castanhas claros, ele era muito fofo e gentil comigo, eu conheci ele quando tinha 2 anos e 3 meses

- Eu não sei....eu vi...um ....um... monstro sem rosto!..eu não sei.. o que era!..

- Por acaso você não se olhou no espelho?

Disse Kelly, uma garota de cabelos castanhas quase loiro, curtos, e olhos verdes folhas, ela era um pouco mais velha do que eu.., ela era minha amiga, mas ela era muito arrogante e grossa com todos, principalmente comigo, o porque...eu não sei...

- Não! não tinha espelhos lá, eu juro que eu vi! Vocês podem até me chamar de Louca ou Estranha, mas eu juro que eu vi

- Então deixa de ser mentirosa! Sua esquisita mentirosa!

Disse ela se aproximando de mim e ficando de cara á cara com ela...foi um momento...muito constrangedor na minha vida

Então ela disse na minha cara olhando na ponta dos meus olhos pretos

- Ser Mentirosa você sempre é....agora Ser falsa e esquisita....ja ta no máximo! Sua Emo Mentirosa!!

Disse Kelly me dando um empurram tão forte que fez eu cair no chão do gramado verde folha

- Você devia ser mais educada com os outros!

Dizia eu em levantando me andando para longe dela, mas ela disse algo que eu nunca vou esquecer na minha maldita vida! Ela disse...

- E quando será que você vai ser Triste e depressiva?! Hein?! Me responde garota!

Então eu em virei e disse com toda a minha calma

- Eu não sei...e nem quando, eu não quero confusões com você

- Tá legal sua Emozinha, só fique sabendo de uma coisa....você um dia...Um Dia! Você será triste e deprimida! Estamos os Quites!

Então ela se virou e foi embora, de cara feia, como sempre, não era a primeira vez que ela fazia isso comigo, porque 6 meses atrás, ela me deu um soco tão forte nas minhas costas que ficou doendo a tarde toda, foi uma horrível dor imença que eu jamais irei esquecer

Eu tentava parar de ser amiga da Kelly, mas idiota como eu era, achava que ela precisava de alegria na vida, então mesmo apanhando forte por ela...eu continuava sendo amiga daquela garota

Minha amiga Zõe, de cabelos castanhas chocolate com tranças e olhos azuis brilhantes disse com o seu lindo jeito doce de ser..

- Não liga para ela Annie, Ela só tá com inveja de você, por você ser feliz e ela não

- Obrigado Zõe...mas Eu não acho que ela tenha inveja de mim..ela só precisa sorrir para a vida..

- Ah Annie, como assim, ela não sorri para nada, ela também briga com os próprios pais, isso não é vergonha na cara, se fosse eu já tinha quebrado as costas dela!

Disse Alice, uma garota de cabelos ruivos com um tom de alaranjado e olhos cinza claro, ela era a mais durona e fria do grupo, mas eu sabia que no fundo ela tinha um bom coração

Como eu estava com muita dor nas minhas costas, eu pedi para que me levassem para casa

Ao chegar em casa a minha mãe Evellyn e o meu pai August, viram que eu estava cambaleando até chegar na porta, o pai foi imediatamente me ajudar, a minha mãe em perguntou preocupada

- Filha! O que aconteceu com você?!

Eu tive que inventar qualquer desculpa

- É..que...Mamãe Eu...caí com força no chão, aí bati as minhas costas

- Mas tá doendo muito?

Tive que balançar a minha cabeçinha indicando um sim, a minha mãe se aliviou...porque odiava ver a minha mãe se preocupando comigo

Na mesma noite eu não conseguia dormir eu não tirava aquilo da minha cabeça até que do nada eu começei a tucir forte fui até o banheiro e começei a tucir sangue e vomitar muito até senti uma dor imença nas minhas costas eu tirei a roupa para ver o que eu tinha e vi nas minhas costas uma cicatriz grande de um círculo em forma oval que batia as costas inteiras e havia um X enorme dentro do círculo batia algumas linhas pra fora e meu sangue que saia pela costa não era vermelho era preto eu me assustei e não mostrei minhas costas pra mais ninguém nem pros meus pais

Desde daí, a minha vida começou á virar o verdadeiro inferno, pois eu comecei á ter pesadelos todas as noites, eu tive que dormir com os meus pais todas as noites, eu sonhava com o homem alto e sem rosto correndo atrás de mim! E quando eu não sonhava com esse homem eu sonhava com o Diabo querendo me pegar, eu via vultos nos cantos dos meus olhos pretos, mas eu ignorava e pensava que poderia ser coisa da minha cabeça, mas até aí eu comecei á ver vultos na casa toda e principalmente no meu quarto, eu ouvia vozes assustadoras, eu sentia ser observada, eu sentia do nada uma mão tocar em meu ombro e quando eu me virava eu não encontrava ninguém atrás de mim, eu comecei a ter vontade de ir á floresta ou em cemitérios, na verdade eu nem sabia o por que eu estava lá, e voltava para casa á pé, e todas as vezes que eu ficava sozinha em casa, eu sentia alguém me observar e nao era só isso eu também ouvia e sentia passos, Mas aos poucos fui me acostumando com isso, eu quase me multilava, eu só não fazia porque eu não era tinha coragem, isso tudo aconteceu durante 9 malditos anos! Desde de quando eu tinha 3 anos de idade, Eu falava para os meus pais, Mas eles não acreditavam em mim! Não acreditaram na própria Filha!

Mas eu sofri tanto, mas eu sofri tanto! Que só lembra disso já dá vontade de chorar, ninguém merecia ter passado no que eu passei

Anos se passaram e eu continuava tendo essas assombrações na minha vida, á cada dia que passava eu ficava pior, mas eu tentava não me demonstrar medo ou algo do tipo, quase entrei em depressão por causa disso

Na escola, e também mudei muito, antes eu era uma ótima aluna exemplar, eu só tirava otimas notas, mas aos poucos eu fui mudando, porque antes eu só tirava A ou B, na quando eu tinha 11 anos, Eu tirei a nota E, nunca tirei uma nota tão baixa com aquela, Eu fiquei me culpando por ter tirado uma nota daquelas, quase me matei por causa dessa maldita nota, eu sei...que Eu fico desagerada com essas notas, mas é porque eu raramente tirava notas daquele tipo, não eram só os alunos que perceberam o meu comportamento á anos, também foram os professores, até a Professora de Literatura, me chamou para conversar com ela na sala particular, sobre esse meu comportamento

Naquele dia eu entrei na sala antes do intervalo e tentei disfarçar, porque naquela época eu odiava todos se preocupando comigo

- Oi Sra Stewart, a senhora me chamou?

- Ah! Oi Annie! Entre por favor!

- Claro!

Disse eu, entrando dentro da sala, e se sentando em frente á mesa da professora

- então Sra Stewart, o que eu fiz de errado?

- Na-Nada Annie, você é uma ótima aluna, sempre tirou notas boas, mas nesses últimos anos, você está meio que...Mudando

- Como assim mudando? Explique-me direito essa historia!

- Bom, você ultimamente olha muito para a janela, na segunda série, você ficava desenhando coisas estranhas, tipo um homem sem rosto e de Terno, você desenhava símbolos estranhos e talz, você também chega na escola muito cansada, você olha muito para a Tesoura do seu material, com a esperança de se matar! Alguma coisa com a sua família?

Eu fiquei espantada com tudo aquilo que ela disse, mesmo assim, ninguém acreditaria em mim, então eu inventei qualquer desculpa

- ...É nada...eu juro, sei lá, eu tenho tendo muitos pesadelos ultimamente, então por isso eu tenho não dormido bem, é nada

- Mas e os desenhos?

- É coisa que eu invento, e olhando para as janelas ou a Tesoura, também deve ser coisa da sua cabeça!..

- Você tem certeza?

- Sim...Eu juro!

- Tudo bem...Você pode ir!

- Ok, obrigado!

Disse eu saindo da sala de aula e indo até a porta de Carvalho, e lá encontro Jimmy, Zõe, Alice e óbvio Kelly

- Annie! Como foi lá?

Disse Zõe

- Annie, você está bem?

Disse Jimmy, colocando a sua mão no meu ombro

- E-Eu..eu estou bem! Não se preocupem comigo!

- Mas como foi lá?

Disse Alice, com uma cara de preocupada

- Foi...

Antes de eu terminar a minha frase, a grossa da Kelly disse

- Ela te expulsou?!

- Não! Só conversamos sobre o meu comportamento!

- Mas ela devia ter te expulsado á muito tempo!!

- Kelly, a Sra Stewart é apenas a nossa professora de Literatura, ela não é a diretora nem nada!

Disse Zõe me defendendo

- Cala a Boca Garota! Essa é uma conversa só minha e da Annitty!

Eu odeio quando me chamam de Annitty! Então eu disse com raiva, Não só porque me chamou desse apelido odiando, mas sim porque a Kelly mandou a minha melhor amiga calar a Boca na minha frente

- Kelly! Não é assim que se trata uma amiga!

- Vocês não são meus amigos!! Sua falsa!

Eu não acreditei, que ela me chamou de Falsa! Na minha cara! Eu não aguentei, eu realmente iria resolver o problema, com as palavras sem violência, mas parecia que essa garota merecia mesmo uma violência

- Eu não sou falsa! E não fala assim com a gente!!

- Agora você fica se fazendo de coitadinha Né! Sua Mentirosa!!

- Não fale assim comigo!! Você devia ter mais respeito com as pessoas menina!! Eu não sou sua mãe para você ficar gritando com ela não!!

- Você é uma mentirosa!! Isso sim!!

Eu juro que eu perdi a paciência naquela hora! Então eu me virei de costas e disse

- Eu não vou ficar discutindo com você!

Foi um erro horrível que eu cometi senquerer

A Kelly ficou com tanta raiva que ela acabou me dando um soco tão forte nas minhas costas que acabei caindo no chão frio e sujo do corredor

Lembrando aquela sicatriz do símbolo ainda estava nas minhas costas, doeu muito, eu gritei muito alto que todos os alunos que passavam no corredor, ficaram assustados

- Nossa! Me desculpe! Ah você merecia cair, Sua Estúpida!!

- Ahhh!! Sua...sua....sua....!!!

- sua o que?! Sua Tonta Estúpida!!

- Sua Filha da Puta Maldita!!!

Eu nunca falei um palavrão daqueles, mas sim eu devia ter dito aquilo na cara dela á muito tempo

eu me levantei, eu fui até ela e á empurrei, eu juro que eu senti alguém tendo controle das minhas ações, parecia que não era eu que estava fazendo aquilo

Eu fiquei em cima dela, eu comecei a quebrar os ossos do braço dela, dava para ouvir um barulho horrível de estralos de longe, eu comecei á arrancar as mechas de cabelo dela, ela chorou e gritou muito alto

A cabeça dela começou á sangrar dolorosamente, eu colocava as minha mãos na cabeça dela que está cheia de sangue e lâmbia, eu sentia o gosto de Ferro duro e quente em minha língua, foi um pouco nojento, mas eu adorei, eu mesmo assim continuava torturando a garota, os meus amigos ficaram tão assustados com aquilo que até a Zõe desmaiou lá mesmo, Alice chorou e Gritou, eu pude ver as lágrimas transparentes de Jimmy saindo de seus olhos castanhas claros, muitos alunos choraram, gritaram, berraram e até alguns desmaiaram, eu fiquei arrependida com aquilo que eu mesma tinha feito do nada, mas para mim, ela já tinha merecido isso á muito tempo

Mas eu juro, que eu vi Um Homem, mas não era os funcionários ou os Professores, mas esse homem, era alto, mais alto do que o próprio teto de 5 metros, ele tinha mais ou menos a altura de um poste de luz, ele também usava um Terno preto com uma gravata preta, e adivinha ele não tinha rosto, sim...eu juro que era ele, não era minha cabeça, Não era nada, ele estava alí mesmo, só eu pude vê-lo, eu vi naquela hora que nesse tempo todo, eu não estava louca, na verdade eu estava certa

Ele começou á fazer uns zumbidos altos em minha cabeça frágil, eu ouvi muitos barulhos na minha cabeça, eu ouvi Gritos, Gemidos, mas o que eu mais ouvia era Choros, choros de adultos, crianças e de Qualquer tipo, eu vi vultos pelos cantos dos corredores, eu vi até fantasmas chegando perto de mim, eu também pude ver alguns tentáculos saindo do Homem sem rosto, isso me deixava mais impinotisada, como se fosse uma cascavel, me atraindo para a sua refeição

Eu também vi crianças de aparência entre 3 á 10 anos, ela estam correndo pelo corredor, foi tipo lá em casa, mas eu nunca tinha visto em outros lugares como um lugar público como a escola ou outro lugar qualquer que seja

Eu vi elas correrem muito pelos corredores, algumas delas chegaram perto de mim e tocaram o meu rosto de disseram, algo que eu nunca irei esquecer, elas disseram

- Você fez um ótimo Trabalho, Annie! Você será uma de nós!

Eu fiquei imóvel, por alguns segundos, ou eram segundos da minha cabeça mesmo, para mim pareciam segundos, mas realmente pareceia minutos ou mais para os outros

Depois a criança saiu de perto de mim, eu acabei desmaiando lá mesmo

As últimas coisas que eu me lembro foi, o Homem sem rosto, chegar perto de mim já caída no chão

Quando eu acordei, Eu estava em uma cama de hospital, eu estava confusa, eu não me lembrava o que tinha acontecido antes de eu ter desmaiado, tentei gritar ou falar alguma coisa, mas eu estava rôca, não pude dizer quase nada, só balançar a minha cabeça, Então eu fiquei lá mesmo esperando alguém chegar e me Explicar direito o que realmente aconteceu

Até os meus Pais chegarem e me virem acordada, eles me abraçaram, como se quase eu tivesse morrido, eu perguntei confusa

- Mãe..Pai...O que aconteceu?

- Você não se lembra de nada filha?

Disse a minha mãe, eu fiquei rôca denovo, Então eu só balançei a minha cabeça indicando um não

Então ela me Explicou o que realmente aconteceu

- Bom Filha, á 6 dias atrás, a Escola ligou dizendo que uma coleguinha sua, te bateu e você partiu para cima dela, você quase matou ela!...

- O quê?...6 dias, eu fiquei desmaiada á 6 dias?!...e...a..Kelly?..como ela está?

- Ela está bem, ela só está com alguns arranhões fortes, mordidas e umas mechas de cabelo arrancadas, mas ela está bem!

- Pelo menos isso!

Disse eu, me aliviando, por ela não ter morrido, mas eu fiquei assustada, pois eu nunca tinha feito isso com ninguém! E Eu quase matei ela, se eu não tivesse desmaiado, ela já estaria morta agora por minha causa

- Annie! E você desmaiou lá mesmo, agora minha filha, só me responda, Por que você fez isso?

- Bom Mãe, boa pergunta, eu também não sei o porque eu fiz aquilo, eu juro que não fui eu mesma, eu geralmente não sei

- Você tem ceterza?

Eu balançei a minha cabeça indicando um sim

- Tudo bem!

Assim que eu recebi alta, eu voltei para casa, e não toquei mais naquele assunto

Eu fiquei isolada por dias, na verdade foi mais semanas

Por que fiquei isolada, bom...na verdade eu estava com medo, de ver o Homem novamente, Então eu me isolei por um tempo, só para esfriar a minha cabeça por um tempo, desde então eu nunca mais vi o Homem, mas as coisas sobrenaturais continuaram só que mais forte e mais assustador, eu comecei a chorar todas as noites de medo e de desespero

Dias depois, em uma manhã de segunda-feira

Eu fui para Escola normal com se nada tivesse acontecido, chegando lá, assim quando Eu entrei no 7° série, eu vi Jimmy, Zõe, Alice e Kelly

Kelly parecia estar Mais calma, a cabeça dela estava toda enfaixada, mas quando eu entrei, a minha classe era do pessoal mais velho então, assim quando eu cheguei lá, todos me aplaudiram, eu fiquei confusa, pois dias atrás eu quase matei minha colega, então eu fui até a minha carteira, e disse para a Kelly

- Kelly...

- O quê você quer? Sua psicópata!

- Não me ch.....Eu só vim pedir desculpas por aquele dia! Eu juro eu não tive intensão, eu não sabia nem o que eu estava fazendo, eu sinto muito por você!

Ela então deu um sorriso, e disse para mim

- Ohhh!! Annie! Me encontre no beco atrás da escola, depois da aula!

Eu fiquei com medo, pois ela disse que ia ser num beco atrás da escola, mas idiota como eu era, aceitei

- Err...Claro tudo bem, eu te encontro lá!

Assim quando eu respondi ela sorriu para mim, depois da aula eu fui até o lugar marcado, e assim que eu cheguei lá, não tinha ninguém, estava um completo vazio, não havia nenhuma alma viva no beco, eu achei que poderia ter sido alguma enganação ou algo assim, mas assim quando eu ia embora eu senti uma dor horrível vindo das minhas costas, eu cai no chão frio e sujo do beco, assim quando eu me

Virei vi que era a Kelly, ela tinha me dado um soco forte nas minhas costas, é assim quando eu me virei, ela me deu com soco tão forte no meu olho direto preto, eu caí naquele chão sujo, ela disse enquanto eu estava caída no chão

- Bem Feito! Sua desgraçada!!

- M-me Desculpa...

- Desculpas não Adiantam! Você foi mexer com a Valentona e se lascou com A Valentona!

- M-mas eu...Juro que não tive intensão de fazer isso! Eu nem sei o por que eu tinha feito aquilo com você...Por favor me perdoe!

- Hahahaha! Para de ficar se fazendo de inocente coitadinha, Sua Pirralha Vadiazinha!!

- Eu Não sou Pirralha!

- É sim!

Disse ela, antes de se agachar e olhar diretamente para os meus olhos pretos, que estavam cheios de lágrimas de dor, e disse no meu ouvido

- Eu...te...Odeio! Sua Maldita Vadiazinha Estúpida!! Entendeu?

Eu não consegui, responder então eu apenas balançei a minha cabeça

Ela sorriu e começou á me provocar e me machucar muito mais

Ela então chutou a minha cara, me dando uma dor horrosa

- Até Logo! Fofa Estúpida!!

Disse ela saindo do Beco com um sorriso nojento em seus lábios grossos e acenando com a mão direita

Assim que ela saiu, Eu fiquei olhando para cima

- Por que?...por que? Isso foi logo acontecer comigo?...

Eu acabei desmaiando

Quando eu acordei, o olho direto estava ardendo muito, eu chorei muito por causa daquela maldita dor insuportável, eu fui correndo para casa, chegando lá, eu entrei pela porta da frente e assim que eu passei pela sala onde os meu pais estavam, eles perceberam

- Annie? Esta tudo bem com você?

Disse a Minha mãe se levantando e indo até mim, eu tentei cobrir o meu rosto com o meu moletom preto, mas mesmo assim ela desconfiava

- Er...E-Eu...estou bem! Mamãe!..

- Annie por que você está de moletom, em julho?

Disse o meu pai

- ...É que..eu tô com frio...

Eu senquerer deixei cair o capuz, mostrando o meu olho direto, todo roxo, ardia muito, eu nem conseguia enxergar naquele olho

Minha mãe, ficou ainda mais assustada, que acabou colocando as suas mãos, nos seus lábios grossos

O meu pai, também ficou assustado, mas ele acabou ficando quieto

- Filha! O que aconteceu com você?! Quem te machucou?!

- É Annie, você nos deve uma boa explicação! Quem encostou o dedo em você?!

Disse os meus pais, eu sabia que eles estavam furiosos mas eles mais tinham, era um susto

- Er...bem..eu..

- Você pode falar, quem foi que te machucou, Annie Mayers?

Mais uma vez a Annie! Idiota como sempre foi, disse

- Não Mamãe e Papai! Ninguém me bateu, Eu só escorreguei e bati a cabeça na minha mesa, nada de mais!

Disse eu, tentado disfarçar

- Você tem Certeza, Annie? Não foi a Kelly?

- Não Mamãe, Kelly e eu estamos de boa! Até fizemos as pazes

- Sério?

Eu balançei a minha cabeça indicando um Sim!

- Tudo bem, vá para o seu quarto! Você deve estar muito cansada!

- Tudo bem Mamãe!

Eu subi as escadas de Carvalho negro, E fui até o meu quarto, e fechei a porta com tudo e disse para mim mesma

- Merda Annie! Merda!! Por que eu não falei verdade para os meus pais! Como eu fui idiota! Grrr!!

Eu fiquei com tanta raiva de mim mesma que eu comecei até jogar os meus travesseiros, para a janela de vidro, eu sentia raiva de mim mesma, depois de ter desabafado um pouco, eu fui para o canto do meu quarto, e me sentei lá mesmo, eu fiquei lá cobrindo o meu rosto, eu fiquei lá por tanto tempo que eu acabei adormecendo lá mesmo

Quando eu acordei, Eu espera que já estava de manhã, mas assim que eu acordei eu fui olhar para o canto do meu quarto, E vi! Eu vi ele lá no canto escuro do quarto, os meus olhos se arregalaram, eu tentei me levantar, mas parecia que algo ou alguém me segurava para eu não me levantar, Eu também tentei gritar, mas eu estava paralisada de tanto medo, Então eu comecei á chorar muito, eu fechei os meus olhos pretos, e fiquei torcendo para que fosse tudo um pesadelo horrível

Eu abri os meus olhos e vi que ele não estava mais lá, eu me aliviei, mas assim que eu virei a minha cabeça para frente, eu tomei o maior susto da minha vida, Eu vi ele de novo só que na minha frente de cara á cara com ele, eu acabei desmaiando

Quando eu acordei, eu estava na minha cama, como se nada tivesse acontecido, então eu achei que poderia ter sido um pesadelo estúpido

Até aí, a minha vida piorou ainda mais

Kelly não largava do meu pé, sempre quando eu chegava na escola, assim que eu via ela, Eu me escondia atras de alguém ou alguma coisa, eu comecei á parecer em casa com hematomas de pancadas ou algo assim

Uma vez, era tarde de Terça-feira dia 9 de Março de 2010

Eu estava voltando da escola á pé, pois a escola só era uns 5 Quarteirões da minha casa, então não era tão longe assim, e eu já tinha idade para ir á pé

Eu estava caminhando sozinha, pois eu era a última do grupo á chegar em casa por último

Enquanto eu andava pelas caçadas frias e geladas da Rua, eu parei por um segundo e tive a clássica sensação de estar sendo observada e vigiada, as minhas mãos pequenas e pálidas começaram á suar frio, eu sentia minha respiração ficando mais rápida á cada segundo

Eu ignorei o máximo possível e continuei andando até chegar em casa

Enquanto eu caminhava, eu passei do lado, de um velho playground, onde eu e os meus amigos, brincávamos quando tínhamos 4 á 9 anos de idade

Eu sei que eu já estava com 11 anos naquela época, mas eu continuava gostando de coisas de criança, eu esqueci a tal sensação estranha e que eu estava atrasada até chegar em casa, que acabei entrando naquele playground

Eu fiquei olhando para os brinquedos de criança, como escorregador, gira-gira e trepa-trepa, mas o brinquedo que eu mais amava era o Balanço

Eu cheguei perto daquele balanço de criança, e sentei-me em cima dele, eu coloquei as minhas mãos pequenas e frias nas correntes de ferro gelado do balanço, e eu coloquei os meus pés no chão de folhas verdes e profundas, e dei um impulso para eu começar á balançar

Cada vez que eu balançava, eu me lembrava do meu passado, quando eu brincava com os meus amigos, quando eu era mais nova, foram momentos maravilhosos da minha vida

Até que eu finalmente dei um pequeno e delicado Sorriso fofo de criança nos meus lábios finos

Tudo estava indo bem, até...

Em frente ao playground tinham uma área florestal, era um grande conjunto de árvores de carvalhos escuros e profundos, com um conjunto de folhas verdes e profundas, havia cercas em volta da floresta, com placas de perigo e área restrita

Para mim, Não parecia nada de mais, só uma coincidência

Foi o que eu pensava por poucos segundos, até eu olhar para o que eu nunca esperava ver de novo

Eu vi aquele homem sem rosto, ele estava me observando, na ponta dos meus olhos, ele estava entre as árvores de carvalhos escuros, ele só me observava, na ponta dos meus olhos pretos e profundamente escuros

As minhas mãos pequenas e delicadas começaram á suar frio e gelar de medo, o meu coração batia rápido e forte, a minha respiração ficou ofegante, Eu tentei me mover ou gritar, mas eu estava imóvel, e não saia a minha voz para gritar por ajuda

Então eu fechei os meus olhos pretos, com a esperança de tudo aquilo ser apenas um sonho

Mas assim que eu abri, o Homem estava agora fora da cerca, eu pude ver aqueles tentáculos saindo de suas costas, me dando arrepios de medo

Eu começei á tucir do nada, eu tucia forte, como se eu tivesse vomitando algum órgão dentro de mim

Eu achei que eu iria desmaiar, mas por pouco eu consegui forças para me levantar, pegar a minha mochila, e ir correndo para casa

Eu corria como nunca, eu corria por causa do medo e do pavor, des daí eu nunca mais voltei para aquele playground

Assim que eu cheguei em casa, eu tentei sair de fininho até o meu quarto, pois eu odiava ver a minha mãe se preocupando comigo

- Annie Mayers

Uma voz feminina disse atrás de mim, me fazendo eu tomar um pequeno susto, eu me virei para ver a minha mãe com os braços cruzados e com uma cara de raiva

Eu tentei disfarçar

- Hehe...Oi Mãe..

- Oi Nada! Onde você estava? Eu fiquei preocupada!

Eu tive que inventar qualquer desculpa para não piorar as coisas que já estavam pioradas, e se eu dissesse o que eu vi, a minha mãe não me deixaria sair mais de casa ou não acreditaria me mim, como sempre

- É que...eu estava na escola fazendo um Trabalho de...Historia

- Mas eu não fiquei sabendo de nenhum trabalho

- É que um...Trabalho individual, ou seja eu devo fazer sozinha, então eu me atrasei um pouco, me desculpe!

- Tudo bem Filha, é..vai para o seu quarto descansar um pouco, você deve estar muito exausta

- Tudo bem mãe!

Disse eu, antes de subir as escadas de madeira profunda, e ir até o final do corredor, onde ficava a porta do meu quarto

E fiquei lá deitada, pensando naquele homem...

Na escola, as coisas continuavam da mesma forma, eu tentava agir como se nada tivesse acontecido

Mas não adiante nada, tudo me fazia piorar

Teve uma vez, que eu tinha chegado da escola, e fui fazer a primeira coisa que eu fazia com os meus amigos, que era, ir para a Biblioteca da escola, estudar ou ler alguma coisa para destrair um pouco até a hora do sinal tocar e todos irem para as suas classes

Enquanto eu lia, o meu livro preferido, que era Sobrenatural, eu vi que a história era quase igual á minha, pois era uma assombração, que era de um demônio ou espírito, isso me deixou assustada, Então eu guardei o livro na estante, me levantei e disse para os meus amigos

- Gente...vam-mos...voltar para a...a...s-sala..!

Disse eu nervosa e gaguejando, com uma cara de medo e assustada

- Mas Annie! Ainda nem deu o sinal da primeira aula!

Disse Jimmy, Então Alice disse

- É Annie, ainda não deu a hora!

- Annie? Você está bem?

Disse Zõe

- E-Eu...estou bem! Não se preocupem comigo!

- Não Annie! Desta vez não!

Disse Alice, se levantando da cadeira de carvalho e colocando as mãos na mesa de Carvalho, ela parecia irritada comigo

- O-o quê?...

- É Annie, já chega! Para de ficar mentindo para nós, dizendo que está tudo bem! Que na verdade não está nada bem!

Disse Jimmy, concordando com a Alice

- M-mas eu estou bem!

- Annie falando sério! Você não está bem! Eu sei, eu te conheço desde que nós tínhamos 2 anos e 3 meses! Você pode confiar na gente, nós somos os seus melhores Amigos! Nunca te deixaríamos na mão!

Disse Zõe segurando as minhas mãos frias de medo

Eu ia contar a verdade, mas para que, se ninguém acreditaria em mim

- É que...

Na hora o sinal tocou eu já sai nervosa e disse

- Bom gente, parece que ja deu á hora! Haha...vamos para a aula de Biológia!

- Mas Annie...

Disse Zõe, e eu mesmo assim, tentei disfarçar, e assim que eu saí da biblioteca, eu senquerer esbarrei, e assim que eu ia ajuda-la a se levantar, adivinha quem era...sim...era a Kelly

- Você!! Sua Pirralha maldita!!

Disse ela com uma cara de irritada, no início eu não sabia nem o que fazer, eu só disse com uma cara de Beicinho

- O-oi Kelly! Tudo bem? Tchau!

Disse eu correndo, como um rato correndo de um grande gato

- Volte aqui Menina!! Desta vez você não escapa!! Sua vadiazinha!!!

Eu corri tanto, corria como uma formiga, eu acabei saindo da escola, e indo para a calçada, eu parei um pouco e fiquei respirando fundo, eu olhei pros lados para ver se ela estava ainda atrás de mim, mas eu não á vi, me aliviei, mas o alívio se foi quando eu á vi na frente da porta de entrada e sainda escola

Eu gritei e corri mais ainda, ela não parava de me seguir, eu corri tanto mais corri tanto! Que eu acabei indo para uma estrada de uma floresta restrita, e assim que eu vi ela correndo até mim, Eu não tive opisão, ao não ser entrar lá mesmo sem autorização

Eu então pulei a cerca e corri, Kelly também pulou a cerca e continuou me perseguindo, eu me escondi atrás de uma grande árvore, eu fiquei lá, chorando de medo e preocupação, eu torcia para que ela me deixasse em paz

Eu comecei á ouvia passos de perto que significava que ela estáva se aproximando de mim

- Annnniiiee!! Apareça de onde estiver! Você não precisa ter medo de mim! Eu só quero brincar com você um pouco, de te matar! Sua Emo vadiazinha!!

Eu comecei á chorar, mas eu não fazia barulho, eu pude ouvir um barulho de algo afiado, eu tive a curiosidade de olhar e vi, que ela tinha um canivete afiado de cabo vermelho escuro quase vinho

Eu chorei ainda mais, pois desta vez ela iria me matar mesmo

Então é isso, esse é o meu fim? Eu comecei á pensar nisso

Até, eu novamente ver, o Homem sem rosto entre as árvores, eu não fiquei com medo, na verdade eu já tinha me acostumado com isso á muito tempo, só tinha percebido naquela hora, ele chegou perto de mim, é ficou me olhando de longe, Eu não temia, eu só ficava olhando para ele, sem nenhuma expressão

Não durou muito tempo, até eu olhar para o lado direto, e ver Kelly, com o canivete em suas mãos grandes, eu gritei, como uma louca, eu tentei fugir novamente, mas ela agarrou o meu pulso direito, e puxou para devolta atrás da árvore grande

- Não!! Me larga!! Sua puta!!

- Cala A Boca, Escrota!! Agora eu mando nessa merda agora!!

- Eu não te fiz nada para você!! O que você quer de mim? Hein Kelly!!?

- Você nasceu, me agrediu e quase me matou!! Agora está na hora de você morrer!! Sua Maldita!!

- Não Kelly por favor!! Não faça isso!! Me desculpa!!

- Desculpas não adiantam!! Agora você tem que ser punida!!

Disse ela, abrindo o canivete e começando a cortar o meu ombro esquerdo, ela só deu um pequeno corte de 3 centímetros e mesmo assim doeu muito, como se fosse arrancando um dedo de mim, eu chorei muito, ela viu que o meu sangue era diferente de todos, pois o meu sangue era negro

Mas ela não ficou empresionada com isso, na verdade ela nem ligou e nem prestou a atenção nisso

Aquela maldita garota ria, ria muito, parecia que ela amava ver eu sofrendo de dor ou alguma coisa do tipo

A dor que eu sentia era insuportável, parecia não ter fim nenhum, eu começei á chorar muito, chorava mais era de dor, a dor era tão grande que eu começei á gritar alto

Mas os gritos meus foram tampados, pela mão nojenta, nos meus lábios finos, eu só pude chorar, Então ela disse

- Dá para você calar a sua boca, Pirralha Emo!!! Porque eu não terminei ainda, nós estamos apenas começando á brincar! Sua estúpida!

Eu tentei gritar por socorro, mas não adiantava pois estávamos longe demais, da calçada

Eu achei que eu iria morrer, Então eu fechei os meus olhos pretos, com a esperança de tudo aquilo acabar, lágrimas transparentes saíram de meus olhos pretos fechados

As últimas palavras que surgiram na minha frágil cabeça foram..."É isso, esse é o meu fim?..."

Até eu abrir um dos meus olhos e perceber que Kelly não estava mais lá em cima das minhas pernas, Então eu olhei pros lados e não achei ela, aí eu olhei para a frente e vi ela lá na frente, entre as árvores, mas ela não estava sozinha, pois o Homem que eu tinha visto estava enfrente á ela

Então eu me levantei e fui até ela correndo, assim que eu cheguei lá perto dela, vi que ela parecia mesmo hipnotizada, pois eu passei a mão esquerda na visão dela e não aconteceu nada, ela estava com os olhos viradas fazendo eles ficarem completamente brancos, então eu olhei para cima e vi o Homem sem rosto, lembrando, eu não tinha mais medo dele, só ficava olhando

Eu fiquei lá o-encarando, até o pior acontecer

Do anda, Kelly começou á ter um tipo de ataque epiléptico, e ficou meio que se tremendo, mas ela não caia no chão de jeito nenhum, ficou assustada e nervosa

Derepente, ela se sentou no chão de folhas secas e sujas, e começou a cavar com os próprios dedos, ela cavava até os dedos até ficarem sujos de terra, ela cavava até o fundo, agora foi a parte mais Nojenta e suja que eu já vi em toda a Minha maldita Vida

Ela começou á achava larvas e outros insetos do solo sujo de terra, Então ela começou á pega-los com as suas próprias mãos, Então ela começou á devorar, as larvas e a sujeira também, ela comia os insetos como se fossem uma carne saborosa, eu quase vomitei, eu cobri a minha boca com as minha mãos pequenas

Depois de ter devorado tudo que podia ser devorado, ela caiu no chão frio e sujo da floresta, e desmaiou, eu olhei para trás e não vi mais o Homem, Então eu saí correndo até chegar em casa

Chegando lá, os meus pais notaram que eu estava em casa mais cedo, então a minha mãe disse

- Filha? Você em casa á essa hora?

- É...mãe, é que...a Sra Owens, dispensou os alunos mais cedo, Então eu vim para a casa a pé mesmo!

- Você tem certeza, Annie Mayers?

- Sim, mãe! Confie em mim!

- Tudo bem, ok, é...vai para o seu quarto e descanse um pouco, você está muito exausta!

- Ok mãe!

Eu então subi as escadas de madeira, e fui para o meu quarto que ficava, no fim do corredor do andar de cima da minha casa

Eu entrei lá, e me deitei na cama, eu fiquei lá olhando para o teto, e pensando no que tinha acontecido

Foi real? Ou coisa da minha cabeça? Eu fiquei pensando assim

A noite caí, eu estava estudando História, pois haveria prova daqui á 2 semanas, e desta vez, eu não iria tirar E denovo

Enquanto eu estava estudando, eu sentia uma sensação de estar sendo observada, pela janela, eu tive a coragem de me levantar e olhar, e assim eu vi no lado do poste o novamente o Homem sem rosto, mas eu apenas o-observava, os meus olhos não se desviaram daquele rosto branco, sem nada, As minhas mãos começaram á suar frio, zombidos começaram á aparecer na minha cabeça, eu não conseguia desviar os meus olhos pretos dele, tentei fecha-los mas eles não fechava, tentei me mover, mas eu sentia alguém com o controle das minhas ações, que acabou me fazendo ficar paralisada, mais forçada, do que de medo

Eu começei á tucir, tucia forte parecia que eu iria vomitar sangue, eu tucia tanto, que eu acabei caindo no chão, eu tucia como nunca tinha tucido na vida, eu comecei á chorar de dor de garganta

Então eu acabei tucindo sangue, o meu sangue não era vermelho mais sim Negro, eu fiquei mais assustada do que nunca

Depois de tanto tucir, eu consegui parar, Então eu tentei esconder, o sangue negro no chão, com tapetes, e assim que eu consegui esconder, a minha mãe abriu a porta do meu quarto, e disse

- Filha?

- Ah! O-oi Mãe!

Disse eu tentando parecer o mais calma possível

- Annie, você está bem?

- Sim Mãe! Eu estou ótima!

- Bom, o jantar já está pronto, você não vai descer? Eu fiz aquele Frango assado, como você adora!

- Ah Sim mamãe! Eu já vou comer, só espere uns 5 minutos, que eu já estou decendo lá em baixo!

- Tudo bem Filha!

Assim que a minha mãe saiu, Eu fiquei pensando, se foi tudo real ou coisa da minha cabeça mesmo

- Foi real ou...sei lá! Melhor esquecer isso! Já basta isso!

Disse eu, para mim mesma, antes de abrir a porta de Carvalho e descer as escadas de madeira, e ir até a sala de jantar, e me sentado na cadeira do meio, com a minha mãe do lado esquerdo e o meu pai do lado direito

Foi um maravilhoso banquete, assim que a minha mãe colocou o meu prato na mesa, eu do nada perdi a fome, achei muito estranho, mas não liguei mesmo assim

Eu me recusei á comer, eu nem toquei na comida, parecia que eu não tinha fome, eu só fiquei lá olhando para os meus pais se alimentando, a Minha mãe parou de se alimentar para me perguntar

- Annie! Você não está com fome?

- É..não, mãe eu perdi a fome do nada, mas é estou bem mesmo assim!

- Ok então!

E continuou á se alimentar

Depois eu me retirei da mesa e voltei para o meu quarto e me tranquei lá mesmo

Então como não tinha nada para fazer, Eu tentei dormir, mas eu não conseguia dormir de jeito nenhum, parecia que algo não me deixava descansar

Então mais uma vez, curiosa como eu era, me levantei e fui até a janela para ver se eu via novamente ele, mas não tinha nada lá, isso foi por 10 segundos, do nada ele apareceu, ao lado do poste, me encarnando novamente

Eu fique imprecionar com isso, mas eu mesmo assim continuava o-encarar, eu fiquei encarando por mais ou menos 3 minutos

Do nada, a minha visão começou á ficar embaçada, eu pude ver aqueles tentáculos aparecerem por trás das costas dele, e via a sua boca negra se abrindo

Eu me assustei muito, que eu acabei desmaiando

Do nada, Eu acordo na minha cama, eu estava suando frio, Então eu coloquei a mão no meu coração, o meu coração batia rápido, Então eu suspirei fundo e disse para mim mesma, agora mais calma

- Foi T-tudo um s-sonho!

Então por causa do meu medo estúpido, Eu me levantei da cama para ir á janela, e adivinha não havia mais nada, Então foi uma prova que tinha sido um sonho idiota

Eu voltei á minha cama, e tentei voltar á dormir, eu não conseguia dormir por causa do medo, para mim, as horas não passavam, nem os minutos e segundos, parecia que o tempo não passava logo

Dia seguinte de manhã na escola

Eu aji normalmente, como se nada tivesse acontecido, na classe, os meus amigos foram até mim preocupados comigo e disseram

- Annie!! Annie!! Você está bem?!

Disse Zõe

- Annie nos ficamos preocupados com você, você correu da Kelly, e não tivemos notícias suas mais! Ficamos preocupados com você

Disse Jimmy

- Não se preocupem comigo gente, Eu estou ótima agora, está tudo bem!

Disse eu com um sorriso descréto, tipo sorriso da Mona Lisa

- Mas e a Kelly, ela não apareceu hoje?

Disse Alice preocupada

- Bom, Eu desistiu de me perseguir, Então eu voltei para casa!

- Tudo bem então, vamos para a aula!

Disse Jimmy

Eu tentei disfarçar com tudo, depois da escola, eu peguei o ônibus escolar e fui para casa

Enquanto o ônibus passava ao lado de uma área florestal, eu encostei a minha cabeça na janela do ônibus e fiquei lembrando daquilo de ontem de noite, se era real ou não

Do nada eu vejo uma vigura encapuzada, entre as árvores, não era o Homem sem rosto, mas sim, era um garoto, ela parecia ser mais velho do que eu, e ter mais ou menos 17 anos

Ele tinha uma pele pálida quase cinza, ele tinha cabelos castanhas, ele vestia um moletom castanha listrado com um tom de azul e castanha, e um capuz azul cobria a cabeça dele, ele tinha calça cinza, óculos de proteção de lentes amareladas, ele segurava 2 Machados de lâminas afiadas e ele tinha uma máscara bocal, listrada cobrindo a sua boca, ele me observava diretamente nos meus olhos, parecia que ele me esperava lá mesmo

Mas eu tentei não ligar, e ficar quieta, poderia ter sido apenas uma reconhecidencia boba

Assim eu cheguei em casa, eu fui até o meu quarto e tentei esquecer tudo

Mas os pesadelos nunca pararam, depois eu não tive mais notícias da Kelly

Fiquei Julho todo sem tem notícias de Kelly ou nem ao menos ver o tal do Homem sem rosto, me senti tranquila por um tempo, mas do nada tudo voltou e desta vez pior ainda foi no triplo desta vez

Mas o que eu nunca vou me esquecer foi de uma vez

Era uma madrugada comum de sempre, Eu não conseguia dormir mais, então para me relaxar eu desci as escadas de madeira e abri a porta dos fundos

Os meus pés com as minhas meias brancas e longas tocaram o gramado frio e verde, eu então deitei-me no gramado verde e macio, e fiquei lá deitada no gramado, olhando para o céu escuro todo cheio de estrelas pequenas e brilhantes, que brilhavam em meus escuros e pretos

Isso foi bom por um tempo, até eu escutar um barulho de estalo vindo daquela maldita floresta onde eu o-encontrei aquele Homem sem rosto

Eu me levantei e curiosa como eu era, fui ver o que era, pois coriosidade de criança é infinita

Eu cheguei perto da floresta mas não entrei dentro, só fique olhando e esperando algo acontecer

E aconteceu

Eu pensei que poderia ter sido algum esquilo ou outro tipo de animal pequeno, então eu desisti, eu decidi retornar ao meu quarto, pois eram 4 Am e eu estava acordada uma hora dessas

Quando eu estava prestes á colocar os meus pequenos e delicados dedos na maçaneta fria

O esperando aconteceu

Eu do nada ouvi

- Psiu!

Eu me assustei, mas na hora que eu me virei para trás, eu vi o inesperado

Eu vi ele, não o Homem mas sim, o garoto com a máscara de boca, ele estava lá entre as árvores, apenas me observando na ponta dos meus olhos pretos e escuros

Eu fiquei gelada com nunca, eu comecei á suar frio, as minhas mãos estavam geladas e frias, os meus olhos pretos estavam esbugalhados de susto e pavor

Ele então apenas disse

- Ei! Vem Cá Garotinha!

Então eu obedeci e fui até ele

Ele se ajoelhou para ficar na mesma altura que eu, Ele estendeu a mão enluvada dele, e disse, eu pude ver ele sorrindo para mim, mesmo ele usando a máscara de boca

- Olá, O meu nome é Toby, mais conhecido como Ticci Toby, e como você se chama?

Eu fiquei nervosa, mesmo assim eu não conseguia ser mal educada, não só por isso, no cinto dele tinha dois machados, de lâminas afiadas, mas ele não pareceu me enganar e acabar me atacando ou me machucando

Na verdade eu me senti tranquila quando eu dei a minha mão á ele, de alguma forma eu me senti protegida, então eu respondi

- Eu me Chamo Annie!

Ele então disse

- Annie é um nome muito bonito! Você parece ser uma menina muito doce e gentil! Eu fiquei sabendo no que você fez com aquela garota maldita, você foi incrível Annie!

Eu fiquei muito Corada com aqueles elogios que ele me disse

- Bom Você quer se juntar á nós?

- Hã?... O quê?..

Eu fiquei nervosa, pois como assim "nós"? Havia mais deles?

Muitas perguntas e dúvidas surgiram da minha cabeça, mas não foi por muito tempo, como eu esperava

Antes que ele pudesse falar alguma coisa, eu ouvi a minha mãe me chamado

Assim que ele ouviu a voz da minha mãe ele disse rapidamente

- Até Logo Annie, estaremos te esperando!

- Espera! Me esperando? onde? E quando?

Não deu para Ele Me responder, ele entrou dentro dos arbustos e sumiu

A minha me chamou para dentro, e eu á obedeci

Eu entrei no meu quarto, deitei-me na cama, e fiquei olhando pro teto, eu me lembrava dele, Eu me sentia protegida e segura

Todas as vezes formaram assim

Mas eu nunca mais vi o Garoto, ou como eu vou chama-lo Toby

Meses depois, no ano de 2011, o pior ano da minha vida

Chegou o grande dia então eu segurei todo o pensamento que eu passei em toda minha vida e fiquei Alegre novamente depois da festa eu estava abrindo os meus presentes até que minha mãe disse que tinha o ultimo presente no canto era um presente de caixa média e todo preto e tinha fita preta amarrada perfeitamente em volta da caixa e tinha uma etiqueta presa na fita que dizia que era pra mim mas o que mais me assustou na etiqueta que não dizia de quem era só dizia que era pra mim mas eu não liguei porque achei que a pessoa poderia ter esquecido de colocar o nome dela e só colocou o meu nome então com muita delicadeza eu abri o presente com cuidado sem rasgar a fita preta e só tinha uma Máscara Branca de olhos e lábios negros e tinha sobrancelhas finas pretas com deitadas demonstrando tristeza, na máscara havia uma lágrima negra do lado esquerdo escorrendo na bochecha branca

Mas a máscara não tinha um sorriso na verdade tinha uma cara triste dava até vontade de chorar cada vez que você olhava pra máscara e não era só a máscara também tinha uma nota que estava escrito

"Annie, você fez uma parte do trato, agora você está preste á ser uma de nós, está máscara te deixará como você devia ser"

É, não dizia de quem era eu fiquei muito assustada que guardei a máscara dentro da minha bolsa porque dia seguinte a minha família e eu iríamos nos mudar para outra vizinhança, durmi aquela noite ouvia vozes na minha cabeça do tipo "Você não deveria ter feito isso!", "Não leve isso na brincadeira, Annie isso ira te prejudicar muito!"

Dia seguinte

quando cheguei na casa nova era a coisa mais assustadora e bizarra de toda minha vida a casa nova era uma casa Antiga tinha móveis antigos, estava empueirado e tinha muitas teias de aranhas, havia também 2 andares então eu subi as escadas para cima e fique tinha 4 cômodos, que eram os dois quartos e o banheiro mas o que mais me deixou com dúvida sobre o final do corredor no andar de cima havia um outro quarto fui ver o que tinha mas a porta estava trancada pedi para o meu pai abrir pra mim mas ele disse que ele não podia abrir a porta porque o antigo dono da casa me fez jurar para não abrir a porta porque algo macabro estava aprisionado dentro do quarto e que jamais era para liberta la, naquela hora eu fiquei com tanto medo que acabei ficando quieta e acabei mudando de assunto, tentei esquecer aquela porta mas ela é que me chamava de noite eu acabei tendo um pesadelo que eu estava entrando no quarto e assim quando eu entrei eu acordei e olhei pro meu relógio e vi que era 3:00 da manhã eu tentei voltar a dormir mas o sono não vinha então eu ouvi um barulho vindo do final do corredor eu tomei coragem e fui ver o que era e vi a porta que antes estava trancada agora estava aberta eu pensei que meu pai poderia ter aberto pra mim então eu acabei indo até a porta e assim quando eu entrei lá dentro a porta fechou com força comigo lá dentro e eu só vi um quarto sem janela, todo escuro tinha velas não acesas, uma folha de papel branca o quarto estava todo empueirado tinha também teias de aranhas mas o que mais me assustou foi que no meio do quarto enfrente a porta havia um espelho grande oval que em volta tinha uns detalhes negros e macabros nele, o espelho também estava em empueirado então vi que tinha um fósforo perto e usei ele para acender a vela para iluminar melhor o espelho assim que cheguei perto fiquei olhando meu reflexo por 5 segundos até que o espelho acabou se embaçando do nada e ele mesmo acabou escrevendo no espelho "Annie"

Eu fiquei a assustada então eu limpei o espelho até que eu vi meu próprio reflexo totalmente assustador e macabro ela era muito parecida comigo ela estava com a cabeça abaixada e aos poucos ela foi subindo para cima até eu ver o seu rosto assim quando eu vi seu rosto eu me assustei que eu acabei pulando para trás de medo a menina era igualzinha á eu só que tinha Uma pele branca pálida, cabelos pretos e uma pele pálida, então eu tomei toda a minha pequena coragem, me levantei e disse

- Quem é você?

A menina do espelho respondeu

- Eu sou você!

Eu fiquei gelada com um bloco de gelo congelado, eu então peguei o resto de coragem que eu tinha e disse

- O que você quer de mim?

A menina respondeu

- Eu quero que você se junte se A nós!

Eu perguntei confusa

- Quem? quem são eles?

A menina respondeu

- Apenas seja uma de nós!

Então eu disse

- Sim, o que eu faço para ser uma de vocês?

A menina disse que na próxima noite era pra eu estar no quarto novamente só com mesma roupa, água sanitária, álcool, um isqueiro, lápis preto, um papel branco e principalmente a máscara

Ela abriu a porta magicamente pra mim sai correndo até o meu quarto e não dormi a noite toda, pois toda hora que eu começava a pegar no sono, eu ouvia vozes macabras e barulho de passos pelos corredores da casa

Dia seguinte eu não contei nada pra ninguém porque eles iriam achar que eu estivesse ficando louca, minha mãe, Evellyn, tinha percebido o meu comportamento, eu estava muito cançada, deprimida, eu não era assim, eu juro que eu sentia que não era eu, pois eu costumava ser todo o oposto daqui que eu fui, ficava trancada no meu quarto, mal alimentava, eu começava á ter medo de tudo ao meu redor

Á noite eu fingi estar dormindo quando bateu 3:00 da manhã eu já tinha preparado tudo assim quando bateu 3:00 em ponto ouvi porta abrindo assim eu peguei as coisas e fui para o quarto sem fazer barulho para não acordar meus pais assim quando eu entrei no quarto a porta se fechou com força comigo lá dentro mas não me assustei aí assim que a porta se fechou sozinha a menina do espelho apareceu novamente ela disse se eu estava pronta Eu respondi

- Sim

então ela disse que precisa me jogar água sanitária e depois álcool, e acender a vela, escrever na folha de papel o meu nome em letra grande e colocar de baixo do espelho, eu fiquei segurando a vela e repetindo as palavra "Annie!, Você está aí?" Três vezes depois disso ela apareceu novamente e disse para eu chegar mais perto do espelho Eu não queria chegar mais perto mas eu senti algo me obrigando a chegar mais perto, assim que eu cheguei mais perto a menina levantou a máscara mostrando a sua boca com um sorriso ela estava dando uma risada macabra eu me afastei mas aí eu senti um cala frio que me fez olhar pro canto escuro do quarto e no canto havia um Homem alto, de terno, de pele branca e sem rosto era o mesmo homem que eu vi quando eu tinha 3 anos, o homem alto foi até o espelho e ficou ao lado dela, eu fiquei com muito medo mas eu senti algo me forçando á chegar mais perto eu fiquei de cara á cara com a menina até que o seu braço direito atravessa o espelho magicamente agarrando meu braço esquerdo naquela hora eu achava que eu iria morrer mas com toda minha força consegui escapar a menina voltou para o espelho rindo macabramente e nunca mais á vi eu também fugi mas a porta estava trancada e a vela tinha caído no chão e o chão era de madeira acabou se espalhando pelo quarto inteiro o homem alto desaparece como um fantasma o quarto estava pegando fogo menos a máscara e envolta do espelho que formava uma proteção meu corpo também começou a queimar e arder começei também gritar e chorar de dor mas eu não estava aguentando mais naquela hora era o meu fim eu acabei não aguentando tanta fumaça antes de eu morrer eu coloquei a máscara em mim e a última coisa que eu vi foi o espelho que não queimava, minhas últimas palavras foram "Você está Triste, agora?!"

É isso...aquilo era o meu fim?

Mas antes de tudo ao meu redor que era fogo, ficar totalmente escuro, eu sentia uma mão fria e branca tocar o meu ombro direito, assim que eu me virei

Tudo ficou escuro do nada

Quando eu acordei do nada no meio de uma floresta sinistra não sabia o que tinha acontecido estava confusa, quando fui ver minha mão ela estava toda branca igual á um papel não só minhas mãos meu corpo todo, meu cabelo também antes era castanha, agora estava todo preto escuro, eu fui engatinhando até um Rio próximo e olhei meu reflexo na água meu rosto está todo branco como um papel, tinha olheiras pretas, meus lábios estavam finos e brancos minhas sobrancelhas estavam pretas e finas e meu corpo estava todo gelado como se fosse um cadáver

Consegui forças para me levantar assim que me levantei, senti mais ardência nas minhas costas

- Merda....espera oq aconteceu comigo?

Quando eu olhei para trás, vi um bilhete colado em uma árvore, eu peguei o bilhete e li em voz alta

- "Você está Triste?" O quê? Como assim, onde eu estou? E o que aconteceu comigo?!

Eu acabei lembrando dessa frase, um tempo atrás, foi a última coisa que eu tina ouvido, naquela maldita noite

Eu me ajoelhei no chão de folhas secas, e começei á chorar, eu vi que as minhas lágrimas arma como o meu sangue, negras, não eram transparentes como antes, Eu fiquei mais assustada ainda

Então eu me levantei

Então eu olhei para trás e vi no local onde eu fui morta, tinha aquela maldita máscara que eu ganhei no meu maldito aniversário de 12 anos, eu tinha me cançado de sofrer por espiritos e demônios, todas as noites desde que eu tinha 3 anos, foram 9 malditos anos de sofrimento, eu não quero que isso se repita comigo......mas Eu quero que isso se repita com você

Então eu peguei minha máscara e coloquei em meu rosto pálido e sem cor e alegria, e jurei a mim mesma, que nunca mais irei demostrar um sentimento meu qualquer, nunca mais irei sorrir, nunca mais irei chorar, só serei uma expressão séria e triste

Eu também olhei para uma árvore, e tinha uma capa preta, que está nos galhos de baixo da árvore, eu peguei aquela capa e vesti ela em mim, a capa era tão grande que batia no chão

3 semanas depois

Eu estava em casa novamente, era madrugada, chovia muito, meus pais estavam dormindo, então eu quis provar a minha lealdade ao Operador, pois ainda não tinha achado a minha primeira vítima perfeita

Eu fiquei escondida atrás da escada, esperando eles descerem, fiquei lá em baixo por um tempo, até eu ouvi passos descendo das escada de Carvalho, e vi que era o meu pai, então assim que ele entrou na cozinha, eu peguei ele por trás, e começou á gritar, e tampei a boca dele, e levei ele pro porão

Lá eu amarei ele em uma cadeira e começei a tortura, eu peguei um martelo e dei Marteladas nele no crânio, na cabeça e no coração, até ele dar um último suspiro e morrer

Minha mãe ouviu os gritos do meu pai, e ligou para a polícia, e disse que tinha um assassino dentro de casa, eu ouvi toda a conversa que quis fazer uma morte mais violenta pra minha mãe

Assim que ela desligou o telefone, eu comecei entrar de mansinho pelo quarto e fiquei no canto escuro do quarto e disse com uma voz calma e triste

- Oi Evellyn, ou...Mamãe

- OQ?!

Dizia a minha mãe olhando para o canto escuro e se arregalados os seus olhos verdes folha

- Você não se lembra de mim?

- Não...quem é você?

- Lembra.....aquela que não tinha tristeza

- Annie?! É você, Filha?!

- Sim Mãe

Na hora minha mãe saiu correndo do quarto e até o corredor, mas ela foi puxada para o quarto do fim do corredor, o quarto onde aconteceu toda aquela maldita desgraça comigo, e a porta se fechando com força, com ela e eu lá dentro, eu estava segurando uma vela e álcool, minha mãe olhou pra mim com os olhos arregalados e cheios de lágrimas prestes á chorar

- Annie! Isso não é possível você morreu!

- Se eu estivesse mesmo Morta, eu não estaria aqui na sua frente falando com você!

- Então você não morreu?!

- Não, mas já tá na hora de você encontrar o papai lá no céu!

Dizia eu, jogando o álcool no chão e jogando a vela no chão, assim quando a vela caíu lentamente no chão, as chamas começaram, quando a minha foi me ver pela última vez antes de morrer, eu tinha escapado, pois antes da vela ter contato com o álcool, eu senti uma mão branca e gelada no meu ombro e quando eu me virava, eu estava fora do quarto, mas sim no quintal da minha casa, eu vi de longe o quarto pegando fogo e eu ouvindo os gritos de desespero da minha mãe, eu não podia mais sorrir, mas eu sentia alegria

Mas minha alegria foi pra fora quando eu ouvi barulho de sirenes de polícia, luzes vermelhas e azuis piscavam rapidamente com a sirene, eu logo entrei dentro da floresta e nunca mais foi vista

Quando os policiais entraram dentro da casa e viram os corpos dos meus pais, não havia pistas, não havia nada, que provasse que alguém que havia ter feito toda aquela desgraça, então só acreditaram que a causa da morte dos meus pais tinha sido suicídio, por depressão que sentiam por perderem a garota Emo Gótica, chamada Annie

2 semanas depois

Eu retorno novamente até á minha antiga e velha casa a qual não via á 2 semanas, pois estava cercada de policiais, então era difícil entrar e sair por lá

Eu entrei por lá, pela porta dos fundos, assim que entrei em casa, eu fui logo procurar o que eu mais precisava agora que eu já era Solitária e de um Serial Killer, eu precisava de algo para me completar

Enquanto eu andava pela casa, eu passei do lado esquerdo da escada que levava até o porão, ou seja o local onde eu matei o meu pai

Eu senti um grande impulso, que me fazia ter vontade de ir para o Porão, pois lá eu acharia o que eu precisava naquele momento

Assim que eu girei a maçante de madeira, eu empurrei a porta de Carvalho escuro, para frente, fazendo á-abrir completamente com um só empurrão, Assim que ela abriu completamente, eu entrei

Eu fiquei descendo as escadas de madeira até chegar no chão frio e sujo do porão

Cada degrau que eu descia, fazia o clássico barulho de madeira sendo pisada ou uma porta de madeira sendo aberta

Assim que eu finalmente descia as escadas de madeira, e pisei com os meus sapatos pretos, no chão frio do porão sem alma, mesmo assim eu me sentia super confortável, naquele local frio e assustador, havia no ar um cheiro horrível e nojento de carne estragada, como se tivesse jogando e largado um Cadáver lá dentro

Não havia mais os corpos dos meus pais, pois á semanas, cremaram os corpos deles, mas mesmo assim permaneciam o cheiro desagradável de um Cadáver em decomposição

Eu fiquei procurando algo para me completar, e não achava

Até eu achar, eu olhei para a velha cadeira de carvalho onde eu torturei o meu pai, estava ao lado da cadeira um Martelo

Eu me aproximei do martelo que estava cheio de sangue, eu me ajoelhei e o-peguei com as Minhas mãos frias e pálidas

O Martelo era novo, feito de um ótimo e duro ferro, era bem pesado, ótima coisa para quebrar os ossos, com um cabo de madeira de Carvalho claro, tinha uma boa ponta afiada, que podia quebrar ossos de uma vez só, e a parte de trás, era ótima pois dava para rasgar a carne das vítimas e furarem a sua pele e carne

Mesmo o martelo estando ensanguendo, ainda permanecia nele, o seu brilho que fazia a sua sanidade morrer em apenas um olhar

Antes de eu ir para fora da casa, eu parei por um segundo

Do nada eu comecei á me mastigar, Eu mastigava a minha carne do braço esquerdo, até sangrar, sangue negro e quente saia do meu braço esquerdo, doía muito, como se eu tivesse sendo esfaqueada pelo braço esquerdo

Eu engoli toda a minha dor e vontade de chorar ou gritar alto, e troquei por uma emoção tranqüila e calma, eu coloquei o meu dedo indicador no meu sangue negro, e coloquei o meu dedo ensanguentado na parede do porão escuro, e escrevi com o meu próprio sangue o seguinte "Me Desculpe" e ao lado um grande Círculo com um X dentro feito de sangue negro

O meu braço esquerdo, sangrava muito sangue negro, mas eu não sentia dor, eu não sentia absolutamente nada, eu olhei para uma mesa de madeira clara, e encontrei uma caixa de Primero socorros

Eu me aproximei da caixa, e o-abri, tinha uma faixa longa e branca, que servia para segurar o sangue

Eu peguei a faixa e enrolei ela no meu braço esquerdo, em cima da ferida, fazendo a ferida, parar de sangrar

Eu amarrei forte, puxando com os meus dentes brancos e afiados que poderiam muito rasgar uma carne

Depois de finalmente eu terminar de enfaixar e parar de sangrar

Eu peguei o meu martelo e o segurei com força com a minha mão direita, eu dei uma risada alta e de psicopata

Eu saí do porão e sai daquela maldita casa, mas para esquecer tudo que me fazia de mal

Eu fui até a garagem, e peguei um galão de Gasolina, outro de Álcool e uma caixa pequena de fósforos de Carvalho claro

Eu fui até o meu velho e antigo quarto, e comecei á jogar álcool primeiro depois a gasolina, Eu comecei á espalhar pela casa toda a gasolina e o Álcool, isso era para eu esquecer essas horríveis lembraças que me atormentavam durante anos

Quando eu finalmente terminei, Eu Estava na porta da frente, eu acendi um fósforo de madeira clara, antes de jogar o fósforo já aceso na gasolina misturada com o Álcool transparente

Eu disse para mim mesma

- Adeus família, eu espero muito que no céu, seja tão lindo quanto essa terra nojenta e miseráveis

Foi quando eu deixei a minha mão branca e pálida cair no chão de Gasolina e álcool, assim que o fogo fez contato com o Álcool transparente e a gasolina forte, as chamas vermelhas e laranjadas começaram

As Provas e pistas que poderia ter sido eu, foram queimadas até virarem cinzas escuras

Eu me afastei, e comecei a rir do nada, a Minha garganta começou á arder com a risada bruta e louca que eu fazia á cada segundo

Então eu parei de rir, eu apolhei o martelo no meu ombro direito, Eu olhei para a minha antiga casa pela última vez antes de me virar para trás, e caminhei normalmente

Eu caminhei até a floresta mais próxima que estava lá

E só para eu ser mais clara, por que eu estou viva do nada, bom, só para esclarecer

Eu nunca morri naquela noite

E hoje já faz 7 anos que eu sou uma deles, você deve tá se perguntando, Quem eu realmente sou?...Bom meu nome é Annie Berry Mayers, mais conhecida como, Annie The Proxy

Agora Com licença, eu tenho que fazer as pessoas terem tristeza ao invés de alegria

Eu preciso dar marteladas, nas pessoas para elas saberem o que senti á muitos anos

Para aprenderem á acreditar, Eu faço isso...porque Eu Adoro ver a alegria morrer

Se eu me arrependo disso?...Eu nunca me Arrependi...


Eu posso só te perguntar uma coisa?...Você está Triste?
Post image
0 0

Perigo na floresta

Eu estava dirigindo altas horas era umas 12:00 Pm eu e meus amigos estávamos bem longe de casa, mas eu lembro como se fosse ontem.
Eu estava entre amigos, apareceu uma floresta e eu precisava passa , mas apareceu essa placa “não entre,volte”e eu tiver que passa mas quando passei eu e meus amigos vimos marcas de sangue e gritos dentro da floresta mas parecia que tinha uma fábrica.

Quando eu olhei para frente eu vi um cara morto ,morto,e era recente.

Continuamos indo adiante aparece um homem ele era assustador. Ele nos salvou porque do nada apareceu uns homens diferentes e eles estavam encharcado de sangue.O homem nos levou a sua casa ele nos explicou que botou avisos pra as pessoas não entrarem só que vandalizaram e tiraram.

Ele contou que o laboratório ou fábrica fazia experimentos que mudava o DNA humano eles estavam fazendo um exército.

Eu tava doido pra sai mas infelizmente meus amigos foram pegos quando eles se separaram só eu e mas 3 sobreviventes que restávamos do grupo.

Mas o homem mandou a gente sai mas rápido da floresta mas quando chegamos no carro ele tava completamente destruído e voltamos mas quando vimos a casa do homem de longe vimos ele sendo faqueando por um rapaz eu não sei como sai vivo de lá.

Eu chamei a polícia e eles estavam chegado mas rápido possível porque eles já estavam recebendo denúncias de lá mas eles demoraram tanto que eles nos acharam e nos botaram tipo uma cápsula e eu me senti mas forte mas rápido só que eu precisava mata pessoas.

Relatório de polícia: somente eu e o cabo sobrevivermos lá foi um caos infelizmente não conseguimos prender os donos da fábrica e também não conseguimos salva as vítimas.
Post image
3 2
0 0

A coisa

Eu sou um vigia noturno na Islândia eu … sofro de ataques cardíacos meu chefe tinha brigado com a esposa mas ele não brigou comigo e nem nada mas ele ele so disse isso com raiva:

Ahh,vamos a cozinha

Ok - eu

Ele foi cozinha e tava contado como foi a briga com a esposa mas ele deixou cai sal na porta e eu perguntei :

Eu posso limpa pro senhor ? - eu

Não precisa - ele

Ae ele disse que eu ficaria responsável das novas câmeras que ele instalou pra eu ficar de olho no porteiro novo eu fiquei feliz.

Eu apaguei as luzes as 3:00 am, eu apaguei eu acordei às 3:10 eu vi o porteiro tomado um café pra vencer o sonho só que ele ouve algo nos fundos ele pegar a lanterna e vai lá eu mudei rapidamente a câmera e não vi nada e nem o porteiro a única coisa que vi foi uma criatura com uma camisa preta e suas calças rasgadas e ele olhou pra câmera como se estivesse olhado de cara a cara.

Ele tentou entra pela porta dos fundos por onde ficava a cozinha mas alguma coisa o afastou de lá por um momento eu pensei que foi o sal e peguei pouco de sal que eu tinha e joguei ao redor da porta.

3:59 am eu voltei a observar a criatura ela tava sorrindo eu tentei da um zoom só que ela voltou a me olhar mas eu vi seus olhos eles eram meios amarelados com vermelho ele conseguiu a arrombar a porta.

4:00 am os vigilantes que tava perto de mim ficaram meio assustados só que o Carl pegou a arma dele e saiu da sala e desceu a escada nos vimos ele descer mas longo em seguida ouvimos gritos e fechamos a porta logo em seguida só que vimos o Carl correr da criatura até tentou volta aonde nós estávamos mas ele não queria arriscar as nossas vidas

4:20 Carl atirou nele e eu ativei os sons da câmera pra ouvi o que a criatura dizia mas eu só ouvia a respiração e nos piramos quando vimos que a criatura não mostrava as marcas dos disparos e também vimos o Carl sendo morto.

4:30 am começamos a ouvi gritos da criatura e falava alto parecia que queria nos mata de susto eu abrir a porta pra vê onde ele estava eu vi a criatura no fim do corredor e eu voltei rapidamente e tranquei a porta.

4:48 am a criatura começou a bater na porta “toc,toc,toc” eu já esta cassado daquilo meus companheiros também é nos decidimos abrir a porta do nada meu coração começou a doer e tudo começou a ficar muito escuro

Relatório policial: após muitas reclamações de que a casa tava com um cheiro horrível mandamos uma escolta pra lá pra investigar nos encontramos 4 corpos, um morreu de parada cardíaca e os outros 3 morreram de facadas, e os vizinhos falaram que tinha um porteiro novo mas o corpo dele nunca foi encontrado mas continuamos procurado o corpo dele mas quando fomos na sala de segurança vimos uma criatura e atiramos só 2 sobreviventes do massacre eu comandante Silva e o cabo Campos.
Post image
2 0
2 0

O último homem na terra

Hola… eu acabei de acordar minha casa parece normal mas quando fui nota chegou mas de mil mensagens de pessoas que eu conheço.

Eu olhei pela janela e só vi vazio, quando alguém bate na porta e quando vejo e um telegrama, parecia te alguma coisa grande mas quando abrir só tinha uma carta e estava mas ou menos assim :

“Você e o único homem vivo na terra “

Eu me assustei mas por um momento mas quando notei eu poderia fazer o que eu quiser.

Mas quando eu sai de casa eu vi umas sombras uma veio até a mim e disse “você lembra daquela surpresa que eu te prometi“

Amigo imaginário? - eu

Eu mesmo - amigo imaginário

Por que me trouxe pra cá ? - eu

Eu não iria te deixa morrer lá, quando eu matei você,seu pai e o amigo imaginário dele eu prometi que não iria te deixa morrer lá - amigo imaginário

Porque você me tirou do meu mundo e não deixou eu morrer ? - eu

Eu lembrei daqueles momentos que passamos juntos e por isso eu não deixei você morre como seu pai e o amigo imaginário dele aliás eu consegui convencer o demônio a escolher outro corpo então foi a do seu pai, eu não ia deixa você morrer como um simples humano mas aqui e tipo o purgatório então toma cuidado por aqui - amigo imaginário

Ok - eu

Eu continuei andado pela cidade abandonada só um pouco assustado mas eu não tinha visto uma porta bem na minha frente quando vi eu me assustei mas aí mas eu não entrei só que eu ouvi a voz do meu irmão então eu fui correndo entrado só que eu não notei que era uma armadilha eu virei o corpo do demônio não consegui resistir ele tava mas forte.

Eu sou o Alan ( possuído pelo demônio) eu consegui volta pro mundo normal e poderei vê o meu irmão e mata ele
Post image
2 8

😭😭😭

Por favor alguém me nota
0 1

Proxys∅

Meu nome é João Paulo, nunca fui de arrumar briga sair muito tarde e tauz.

Um dia eu estava com meu amigo, a namorada dele e a minha namorada (não vou citar nomes) nós estávamos indo ver um filme de terror, certo? Não a namorada do meu amigo disse que tinha medo dessas coisas pois toda noite via coisas do tipo no quarto dela Claro que agente começou a rir, então ela disse:

Vou estar vocês aqui fora - namorada do meu amigo

Nos falamos:

Ok - nós todos menos ela

Três horas depois o filé acabou e nois saímos do cinema. Quando fomos encontrar com ela onde ela tinha ficado para nós esperar só achamos um papel escrito: Socorroooo
Nos achamos que era trolagem, mais quando olhamos para a parede vimos um símbolo era um X dentro de um círculo ∅ mais não era normal ois estava feito de sangue.
Seguimos um rastro de sangue até uma casa. Ficamos com pavor só de olhar tiramos zerinho ou um e o azar estava do me lado bom até hoje estou arrependido do que eu fiz quando entrei lá vi a namorada do meu amigo morta toda aberta dava para ver as tribas dela os olhos dela estavão no 10° andar da escada. Minha namorada desmaiou com oq viu nós chamamos a ambulância mais não aconteceu oq agente esperava não foi um ser humano que atendeu, a mesma pessoa que atendeu está dentro da casa com outras pessoas assustadoras. Os nomes deles eram Slenderman, Ticci Toby, Blood panter, e Masky. Eu e meu amigo saímos correndo mais ele era um pouco lento e ficou para traz, ainda correndo olhei para traz e comecei a chorar vi eles maçacrando meu amigo e minha namorada quando cheguei em casa tentei durmir e não consegui, após dar 24 horas sai do quarto e fui correndo para a sala liguei a TV e assisti, a família deles chorando pois eles estavão desaparecidos, tentei explicar para todos mais ninguém acreditou, depois disso fiquei dois meses sem durmir (na história eu tinha 14 anos hoje tenho 16)
0 1

A coisa mais aleatória q vc vai ver hoje

Quem quer conversar, tô sem nada pra fazer 😀😁😄😮😯😫😪
0 0

KKK

Confesso q quando baixei achei q era uma Wiki pedia de creppypastas kkkk
0 1

SLENDERMAN

Quem vai ver o filme do SLENDERMAN? Eu vou ver 😢 talvez eu n durma durante dois meses (se a minha mãe deixar, essa e a parte ruim de ter 9 anos e conhecer creppypastas, e a outra parte ruim e a "coragem" de durmir sozinho)
0 0